BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Dito & Feito - O 'implacável' discurso de David Almeida ao assumir a Prefeitura de Manaus


O prefeito eleito David Almeida (Podemos)  foi buscar os ensinamentos dos filósofo francês  Montesquieu, em seu tratado "O Espírito das Leis" (1748) para  lembrar, em sua discurso de posse, que o princípio da tripartição dos poderes, dividindo as atribuições do governo em três grandes órgãos – executivo, legislativo e judiciário – é muito importante para a  democracia, na medida em que cada órgão ou poder é independente a ponto de não interferir nas atribuições dos demais, mas dotado de suficiente autoridade para impedir abusos de poder.

— Os são independentes, sim, para que nenhum pode subjugue o outro. São independentes, porém são harmônicos –,disse o prefeito  citando cada segmento dos poderes presentes à sua posse, de forma virtual.

Ao adiantar que 2021 será um ano desafiador, já que terá que ad ministrar Manaus com um orçamento inferior ao de 2019, David prometeu acabar com o desperdício.

— Vamos receber a cidade de Manaus com o orçamento que os senhores aprovaram aqui de R$ 600 milhões menor para 2021 do orçamento executado em 2019.  Diante da situação o prefeito fez uma promessa assumida por ele e por seu vice, Marcos Rotta (DEM).

—  Seremos implacáveis com os nossos inimigos. Implacáveis com os nossos adversários!

Quem são os inimigos?

No entanto, engana-se que pensou em inimigos pessoais ou adversário políticos. Na verdade, o prefeito se referia a outras ameaças:

— E  quais são os nossos adversários e inimigo? –, perguntou ele, para responder logo em seguida:

— O mau serviço público e a ineficiência do serviço público. Nossos adversários são a falta de atendimento na saúde, na educação, transporte coletivo, de péssima qualidade, infraestrutura ,  a questão do meio ambiente, o esporte, a cultura, o lazer e a assistência social.

Fazer mais com menos

O prefeito empossado garantiu que será “implacável”, tamném, com o desperdício os gastos públicos.

— Temos a obrigação de com esse orçamento fazer mais com menos. Buscar soluções aos problemas da cidade de Manaus. Buscar e instituir metas e buscar resultados.

Independentes, mas juntos

Em cima da corrente de Montesquieu, David estendeu a mão aos vereadores eleitos garantindo que Executivo e Legislativo vão trabalhar de forma independente, mas unidos,  quando  a pauta for os interesses da cidade de Manaus e deu povo.

— Isso porque quando brigam os poderes, quem sofre é o povo – afirmou o novo prefeito.

No primeiro dia David usou ôbibus

Eleição difícil

Citando que a eleição mais difícil é a de vereador – a que ele tentou, em 2004, mas não conseguiu se eleger –, o prefeito disse que cada um dos membros da Câmara Municipal é importante para o segmento que representa ou para a área em que atua.

— É uma honra e um  privilégio que, diante de 1.300 candidatos, tenha aqui tem 41  representantes da sociedade manauara. E a sociedade manauara espera que todos nos possamos trabalhar e dar o nosso melhor para que possamos viver numa cidade melhor.

Políticos em baixa

David lembrou ao plenário que que ele – representando a nova geração de políticos –, junto aos vereadores têm a obrigação de resgatar a imagem da política e dos políticos que anda muito arranhada nos últimos tempos.

— A sociedade já acredita mais na política e nos políticos. Esta é a realidade. E eu venho aqui  convidar os senhores para que de forma harmônica, resgatarmos  a credibilidade da política e dos e dos políticos. Este é o momento do povo! –, bradou.

Toca Raul!

David citou um verso de uma antiga canção de Raul Seixas para comparar com o descrédito na política e nos políticos:

— Eu não posso entender/Tanta gente aceitando a mentira...‌                                            

Toca Raul

Errou a música

Foi uma boa sacada, mas o prefeito só errou o nome da música. O prefeito citou que se tratava era um trecho de “Ouro de Tolo”, o primeiro sucesso do roqueiro baiano. Mas não é. A música que contém esse verso é “Medo da Chuva”.

Minuto de aplauso

Naquilo que chamou de “discurso do coração”, David Almeida pediu um minuto paraded9car às vítimas da Covid-19.

— Mas não um minuto de silêncio e sim um minuto de aplausos.  Quero fazer essa moção em nome da minha mãe, do ex-prefeito José e Fernandes, deputado  Miquéias, Wilson Wolter e  todos aqueles que se foram pela CVovid-19.

Debutantes

Na solenidade de posse dos vereadores, na Câmara Municipal, teve parlamentar novato, que passou mais tempo posando para fotografia do que assinado o termo de posse. Pareciam até modelos na passarela.

Caneta perigosa

Na cerimônia houve também um descuido do cerimonial da Câmara. Dos vereadores ao prefeito, passando pelo vice, todos usaram a mesma caneta. O que é desaconselhável pelas medidas de restrições à Covid-19.

Vetor de transmissão

Como se sabe, na luta contra o avanço da pandemia do novo coronavírus, todos temos de ficar atentos à higienização dos mais simples objetos. Até mesmo uma simples caneta pode ser um vetor de transmissão, se compartilhada por muitas mãos.

Bota a máscara!

Tem mais: para ficarem  bonitinhos na foto, alguns vereadores tiraram a máscara. Se bem que, certos parlamentares, ficariam melhor de máscara.

Paletó psicodélico

Quem inovou e caprichou no look foi o vereador  William Lauschner (Cidadania). Ele apareceu na posse de barba bem feita, negra como as asas da graúna e com um paletó pra lá de psicodélico. Proprietário do  “Porão do Alemão”, o Lauschener quis apresentar um visual de puro rock pauleira. Mas o desenho do paletó remeteu muito às pinturas em kombi que circulavam durante o movimento psicodélicos, estilo “paz e amor”, de 1968.

O terno psicodélico do Alemão

Irreverentes

Entre os empossados, outro chamou atenção : o vereador Dione Carvalho (Patriota), que tomou posse com o escudo do Capitão América, em homagem às crianças cardiopatas.‌

Estado de calamidade

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF,  prorrogou o estado de calamidade pelo país. A liminar atinge apenas a parte que trata das medidas para enfrentar a pandemia de coronavírus.

O que não pode

A lei trata a urgência de manter-se os cuidados e prevenções necessárias contra a Covid-19. Por exemplo: Isolamento; Uso obrigatório de máscaras; Fretamento de aeronaves; Uso de estruturas particulares de saúde; Interrupção de serviços não essenciais;  Proibição de eventos que promovam aglomeração. Mas, dessa  forma, o decreto preocupa a sociedade. Porque não expõe se haverá criação de fundos de verbas especiais.

Robô frentista

O Grupo Volkswagen desenvolveu um frentista robô para carros elétricos que pode navegar autonomamente em áreas de estacionamento, ligar um carro e, em seguida, retornar ao seu posto avançado sem a intervenção de humanos. O robô frentista móvel abre a tampa da tomada de carga e também conecta ou desconecta o plugue. O robô também é capaz de se mover e conectar os carros elétricos a uma unidade de armazenamento de energia.

Robô frentista

A vez dos elétricos

O  protótipo, criado pela Volkswagen Group Components, tem como objetivo mostrar como a montadora expandirá a infraestrutura de carregamento nos próximos anos para atender à demanda esperada que surgirá à medida que ela produz e vende mais carros elétricos.

O Grupo Volkswagen  se comprometeu a lançar dezenas de modelos de carros elétricos nos próximos anos. A marca Volkswagen planeja construir e vender 1,5 milhão de carros elétricos até 2025.

Da lancha, Bolsonaro insufla os banhistas contra o governador João Dória, na Praia Grande Durante um passeio de lancha na Praia Grande, litoral de São Paulo, onde passa os dias de feriado de Ano Novo, Jair Bolsonaro puxou um grito de xingamento de uma multidão contra o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Ele estimulou o grupo a gritar contra Doria após ser provocado a fazê-lo. “Ei, Doria, vai tomar no c*...”, obedeceram os apoiadores, em coro. Outro ataque a Doria já havia sido feito na quarta-feira (30), quando disse que o tucano poderia até ir para Miami, mas não fechar São Paulo.

ÚLTIMA HORA

Durante um passeio de lancha na Praia Grande, litoral de São Paulo, onde passa os dias de feriado de Ano Novo, Jair Bolsonaro puxou um grito de xingamento de uma multidão contra o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Ele estimulou o grupo a gritar contra Doria após ser provocado a fazê-lo. “Ei, Doria, vai tomar no c*...”, obedeceram os apoiadores, em coro. Outro ataque a Doria já havia sido feito na quarta-feira (30), quando disse que o tucano poderia até ir para Miami, mas não fechar São Paulo.

ORGULHO

Nunca o fim de um ano foi tão esperado como este. 2020 parece ter sido um ano fora da curva, onde tudo, ou quase tudo, precisou ser revisto ou adiado. Mas, tudo isso não aconteceu de forma inesperada. A astrologia já vinha apontando tendências de mudanças grandes e desafiadoras. A pergunta agora é: com será 2021? Solidariedade, oportunidades, aprendizado e descobertas são as palavras fortes das previsões para 2021, o ano do Boi no horóscopo Chinês. Na astrologia, a Terra passará a ser regida por Vênus, o planeta do amor.  A numerologia diz que 2021 será um ano bem mais leve, de número 5, cuja palavra-chave é “mudança” e as cores são rosa e verde água.

VERGONHA

Reconhecido mundialmente como referência em campanhas de vacinação, o Brasil está atrás até de nações ainda mais pobres. A última semana de dezembro terminará com quase 50 países já tendo iniciado a imunização de sua população. Até agora, cerca de 5 milhões de doses de diferentes laboratórios foram aplicadas em habitantes de União Europeia, Oriente Médio, Estados Unidos, Canadá e América Latina — a maior parte dos produtos exige duas doses. Nesta terça (29), foi a vez da vizinha Argentina dar início à vacinação. Na América Latina, Peru, México, Costa Rica e Equador compraram, juntos, 60 milhões de doses da Pfizer. A União Europeia adquiriu 300 milhões, Reino Unido, 40 milhões, Japão, 120 milhões, e Estados Unidos, 100 milhões.

Mário Adolfo

Mário Adolfo

Jornalista formado pela UA, com mais de 40 anos de experiência. Dois prêmios Esso e criador do personagem Curumim, o Último herói da Amazônia.