Calendário

outubro 2019
D S T Q Q S S
« set    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

The Intercept revela esquema em concurso público do TJAM para beneficiar parentes

O site The Intercept divulgou na manhã desta segunda-feira, 01/07, uma matéria investigativa sobre o concurso público com 23 vagas para o cargo de juízes do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) realizado em 2015. O material publicado pela jornalista Nayara Felizardo, que esteve em Manaus, revela que o tribunal ampliou o quadro de vagas para que os gêmeos Igor e Yuri Caminha Jorge filhos da desembargadora Nélia Caminha, e Rebecca Ailen Nogueira Vieira, sobrinha do desembargador Lafayette Vieira, pudessem tomar posse.

Os gêmeos ficaram no 34º e 43º lugar. Já Rebecca garantiu a 51ª posição. A reportagem mostra ainda a influência de sete famílias para nomear parentes no tribunal. São ao menos 27 juízes, desembargadores ou funcionários que dividem sobrenomes. Pelo menos 19 dessas pessoas foram indicadas para cargos de confiança que pagam gratificação, e outras duas entraram no tribunal sem concurso público.

A sorte de Rebecca e dos gêmeos começou a mudar depois de uma reunião realizada uma semana depois da publicação do resultado do concurso. Acompanhado da mãe, a desembargadora Nélia Caminha, um dos gêmeos participou de uma reunião entre o presidente do tribunal à época, o desembargador Flávio Humberto Pascarelli, e uma comissão de aprovados. A pauta, como me contou um dos presentes à reunião, que preferiu não se identificar: a necessidade de agilizar a nomeação dos novos juízes.

Um mês depois, no dia 12 de julho de 2017, o tribunal encaminhou um projeto de lei que criava 12 cargos de juízes auxiliares. A proposta foi apresentada à Assembleia Legislativa amazonense e aprovada por unanimidade.

Cinco candidatos desistiram das vagas e, em janeiro de 2018, o que até então parecia um milagre aconteceu: o tribunal achou espaço para mais juízes. Até aquele dia, Rebecca havia sido a última a conquistar a vaga.

A posse ocorreu numa festejada solenidade no tribunal. Os desembargadores Nélia e Lafayette acompanharam a cerimônia. A mãe estava orgulhosa pelos filhos, e o tio emocionado com a sobrinha. O site Fatos Marcantes a descreveu como “o feito de famílias que têm em seu gene o dom da magistratura e tiveram mais de um membro aprovado em um dos concursos mais difíceis no país”.

Continue lendo a matéria aqui.

Um comentário

  • Nayara Xavier

    1 de julho de 2019 at 16:46

    Virou uma apadrinhado esses concursos, enquanto pessoas se matam de estudar noite e dia a vaga já está garantida pra quem tem parentes no tribunal, onde está a ética e isonomia dessas pessoas? triste ver isso acontecer bem debaixo do nosso nariz, que possam ser punidos por isso.

    Responder

Deixe uma resposta