BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Reprovação de Doria iguala a de Haddad após junho de 2013


Duramente criticado pelas viagens para fora da cidade e pelo projeto da “ração humana”, o prefeito de São Paulo, João Doria Jr (PSDB), viu sua popularidade cair de forma vertiginosa após o primeiro ano de mandato. Segundo pesquisa Datafolha publicada nesta terça-feira 5, 39% dos moradores de São Paulo classificam como ruim ou péssima a gestão Doria, número exatamente igual, nesta mesma época, ao de seu antecessor, Fernando Haddad (PT), que no primeiro ano de mandato enfrentou a crise de junho de 2013.

Ainda segundo a pesquisa, enquanto 39% reprovam a gestão, 31% a avaliam como regular e 29% a classificam como boa ou ótima. O maior índice de avaliação ruim ou péssima (44%) está entre os que ganham até dois salários mínimos (1.874 reais), enquanto os mais ricos (renda superior a 9.370 reais) são os que mais aprovam Doria (45%). Entre as mulheres, 44% reprovam a gestão. Entre os homens, o cenário é dividido, com 35% de regular, 33% de ruim/péssimo e 32% de bom/ótimo.

A imagem de Doria se deteriorou de forma rápida nos últimos meses. No início de outubro, outra pesquisa Datafolha mostrou que o porcentual de paulistanos que avaliava sua gestão como ruim ou péssima era de 26% ante os 39% de agora. No mesmo período, os que avaliavam a gestão como regular foram de 40% para 31%.

Este período coincide com a crise da “farinata”, o alimento granulado sintetizado a partir de feijão, arroz, batata e tomate próximos do seu vencimento que o prefeito desejava usar no combate à fome. Em 18 de outubro, Doria defendeu o alimento, apelidado de “ração humana” pelos críticos e disse que “o pobre tem fome, o pobre não tem hábito alimentar”. No mesmo dia, anunciou que a farinata estaria nas merendas de escolas municipais. Diante das inúmeras críticas, Doria recuou e, em novembro, desistiu oficialmente da farinata.

O Datafolha ouviu 1.085 moradores de São Paulo entre 28 e 30 de novembro, em um levantamento com margem de erro de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Mário Adolfo Filho

Mário Adolfo Filho

Jornalista, formado pela Universidade Federal do Amazonas. Com passagem por grandes jornais de Manaus, Prefeitura de Manaus, Câmara Municipal de Manaus e Câmara dos Deputados.