BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Recursos da Coca-Cola Brasil ajudam 97 instituições no combate à Covid-19


Famílias em situação de vulnerabilidade e entidades sociais, em Manaus e no interior do Estado, e a classe artística, na capital, são o foco prioritário da ação realizada pela Coca-Cola Brasil em parceria com o Instituto Coca-Cola Brasil. O aporte financeiro feito pela empresa, na última semana, está sendo destinado para compra de 10 mil cestas básicas e botijões de gás.

Os três grupos prioritários receberão as doações de uma das 97 instituições e associações mapeadas e cadastradas pelos parceiros da ação, entre elas os Institutos Phi e Abílio Pontes, e a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (SEC).

Além de Manaus, as doações estão sendo distribuídas para os municípios de Manacapuru, Iranduba, Itacoatiara, Rio Preto da Eva, Itapiranga e Careiro Castanho. Entre as instituições beneficiadas no interior estão a Associação de Desenvolvimento Humano, Cultural e Social Mãos Solidárias (Itacoatiara), Associação dos Cidadãos Especiais de Manacapuru - ACEM, Associação dos Deficiente Físicos do Município de Itapiranga, Associação de Mulheres Ribeirinhas Casa de Sara (Iranduba), Associação LGBT+ de Rio Preto da Eva e Instituto Brinquedoar (Careiro Castanho).  

Aporte financeiro feito pela empresa é destinado para a compra de cestas básicas e botijões de gás.

Atendimento médico e doações

O projeto Mãos Amigas, formado por um grupo voluntário de profissionais de saúde, também está recebendo doações de cestas básicas. O grupo que leva atendimento médico gratuito a famílias em situação de vulnerabilidade agora conta com o aporte de doações de cestas básicas da Coca-Cola Brasil. O médico João Bosco, participante e idealizador do Mãos Amigas, conta que o projeto teve início em janeiro, no pico da pandemia no Estado, quando hospitais atingiram a capacidade máxima de atendimento.

“Muitas famílias ficaram sem atendimento médico nesse período. Os hospitais passaram a receber apenas pacientes graves. Foi aí que nosso grupo passou a levar atendimento domiciliar. Percebemos muitas famílias em situação de vulnerabilidade e com necessidade de apoio financeiro e de doações. Durante a consulta médico na residência da pessoa conseguimos perceber essa necessidade e já fazemos as entregas das cestas”, explica João Bosco.

Esta semana a dona de casa Nonata da Silva, 66, moradora do bairro Jorge Teixeira, zona leste, recebeu a visita da equipe médica do Mãos Amigas. Ela, o marido e filho estavam com falta de ar e febris e foram atendidos em casa.

“Quando o doutor chegou aqui nem acreditamos. Receber atendimento em casa, nesse momento difícil, é reconfortante. E para a nossa surpresa e gratidão ainda ganhamos a cesta básica. Estávamos precisando demais, nem sei como agradecer”, relata a dona de casa.

Redação BMA

Redação BMA

As principais notícias do Amazonas, do Brasil e do mundo. Mais de 40 anos de jornalismo com credibilidade.