Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Rebecca: ‘Marcho sozinha porque o povo quer mudança’


Quem é esta mulher que, aos 35 anos, com a experiência de dois mandatos de deputada federal pelo Partido  Progressista (PP), acredita que está preparada para governar seu estado, mesmo reconhecendo que, apesar dos avanços,  ainda existe muito preconceito contra a mulher na política? Seu nome é Rebecca Martins Garcia, nascida em Manaus no dia 28 de abril de 1973. É  economista e exerceu o mandato de deputada federal pelo Amazonas de 2006 a 2015, tendo sido eleita em 2006 e reeleita em 2010.

Em 2012, Rebecca assumiu a Secretaria de Governo do Amazonas em dezembro de 2012, em substituição a George Tasso. Ao aceitar a função no Poder Executivo, ela disse que queria ajudar o governador Omar Aziz a cumprir suas promessas de campanha. Recentemente, exerceu  o cargo de superintendente da Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA). Nas eleições de 2014, Rebecca candidatou-se a vice-governadora do Amazonas na chapa de Eduardo Braga, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), sendo derrotados pela chapa de José Mello (PROS).

É filha do empresário Francisco Garcia Rodrigues, com quem aprendeu a fazer política,  e Clyicia Martins Garcia. Graduada em economia em 1996 pela Universidade de Boston, passou a trabalhar nas empresas de sua família. Herdeira política do pai, sua primeira disputa para cargos executivos aconteceu em 2014 como candidata a vice-governadora na chapa de Eduardo Braga, a quem terá que enfrentar nas urnas, nas eleições suplementares ao governo do estado, em agosto.

Confira a segunda entrevista da série com os candidatos:

Blog do Mário Adolfo – A senhora se considera experiente politicamente, a ponto de se  achar preparada para administrar o Amazonas?

Rebecca Garcia, candidata ao governo do Estado –  A minha primeira experiência política individual foi à frente da ONG Maria Bonita, que me deu a oportunidade de desenvolver um trabalho político social com as mulheres do nosso estado. Depois vieram 8 anos em Brasília, que foi fundamental para conhecer cenário nacional e fortalecer a relação com nosso Estado. A experiência como secretária de Governo me deu uma visão macro e a oportunidade de conhecer o Estado por dentro. E recentemente, a Suframa, que mesmo sendo um cargo técnico, foi necessário a experiência política para caminhar em pautas fundamentais para desenvolvimento da economia do nosso Estado. Hoje, me sinto preparada para governar o nosso Estado com o apoio dos servidores e com uma equipe técnica que virá para ajudar a resgatar o nosso Estado.

BMA – Como a senhora avalia a participação das mulheres na política?  Dilma não foi bem, Cristina Kirchner Também não, Hillary Clinton foi derrotada… Ainda existe algum preconceito contra a ascensão das mulheres na política?

Rebecca Garcia – A participação da mulher na política está abaixo do desejado, mas já avançamos. Não seria correto relacionar o fracasso das gestões Dilma e Kishner ao gênero. Existem experiências exitosas e fracassadas de homens e mulheres. Angela Merkel, por exemplo, tem sido uma grande líder e Gestora.
Existe preconceito, mas muita vontade de mudar também.

BMA – A senhora não acha que o seu vice, que já respondeu a vários processos, pode lhe tirar votos? O que pesou na escolha dele?

Rebecca Garcia – O Abdala respondeu a um processo por ter sido presidente de um sindicato é defendido a sua classe, nunca se envolveu com dinheiro público, do povo. É um deputado eleito pela vontade dós Amazonenses e tem uma grande preocupação com o homem e a mulher do interior.

BMA – Sempre muito presente em sua vida política, qual será o papel do seu pai no governo?

Rebecca Garcia – Nenhum. O papel do meu pai é continuar a cuidar bem das empresas da nossa família da onde sempre saiu o nosso sustento e continuar a gerar os mais de 1.500 empregos que ele gera no nosso Estado.

BMA – Em 2012 o senador Eduardo Braga foi responsável pela implosão de sua candidatura a prefeita, lançando Vanessa. Mas logo em seguida a senhora foi candidata a vice governadora de Eduardo na  campanha de 2014 ao governo. O que levou a senhora a se unir a alguém interrompeu sua trajetória

Rebecca Garcia – Nada acontece por um acaso. Tudo no tempo de Deus. Alianças eleitorais não significam casamento. Faço parte de um partido que em 2014 fez aliança com o PMDB e que este ano marcha sozinho porque o povo pede mudança. É a vez do povo.

BMA – O que difere a Rebecca de hoje para aquela Rebecca de 2012

Rebecca Garcia – Uma Rebecca mais experiente, que foi secretária de governo e superintendente da Suframa e pode conhecer ainda mais nosso Estado; porém, com a mesma vontade de ver o Amazonas crescer.

BMA – Se eleita, quais as prioridades de seu governo?

Rebecca Garcia – Estamos falando de 1 ano de gestão. Prioridade saúde, segurança e geração de emprego e muita transparência.

BMA – A senhora  conta mesmo com o apoio do governador David Almeida, ou ele é apenas um simpatizante de sua candidatura?

Rebecca Garcia – Temos mais do que isso. Temos a torcida de um governador que acredita que agora é a nossa vez, a vez dos Amazonenses, a vez da mudança.

BMA –  As mulheres representam 51% do eleitorado. Mulher vota em mulher?

Rebecca Garcia – Vota sim. Temos prova disso em pesquisas.

Mário Adolfo Filho

Mário Adolfo Filho

Jornalista, formado pela Universidade Federal do Amazonas. Com passagem por grandes jornais de Manaus, Prefeitura de Manaus, Câmara Municipal de Manaus e Câmara dos Deputados.