BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Dito & Feito - Pré-candidato do MDB ao Senado, Eduardo Braga tenta evitar debandada do PT


Com três parlamentares, o Republicanos, partido do senador Flávio Bolsonaro (RJ), anunciou nesta sexta-feira que vai apoiar o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) na disputa pelo comando do Senado. Pacheco é ligado ao atual presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que mantém boa relação com Flávio e o Palácio do Planalto. Em meio ao anúncio do Republicanos, o MDB tenta reverter um possível apoio do PT, que possui seis senadores, a Pacheco. Para isso, o líder da bancada do MDB, Eduardo Braga (MDB-AM) telefonou pouco antes da reunião para alguns senadores do PT para evitar que o apoio fosse confirmado e acabou ganhando tempo.

Dudu  teve um pé de ouvido, na manhã de sexta-feira com os petistas para segurar a debandada. Braga também é um dos pré-candidatos do partido.

Líder ou candidato?
A liderança do MDB se apressou em dizer que que Eduardo Braga participou do encontro com o PT  como líder da bancada e não como um dos quatro pré-candidatos do partido.

Braga transita bem

Os outros três são Eduardo Gomes (TO), Fernando Bezerra Coelho (PE) e Simone Tebet (MS). Braga, no entanto, é o único pré-candidato com certa abertura dentro da bancada petista.

Seguindo o PSD

Os Republicanos é o terceiro partido a manifestar voto a Pacheco esta semana, seguindo o movimento do PSD e Pros. Juntas, as legendas somam 17 senadores.

MDB demora

Os anúncios ocorrem antes mesmo da definição da candidatura do MDB, principal adversário de Pacheco, que só deve escolher o nome que vai pleitear o posto na próxima semana.

Zezinho vive e luta

A família de Zezinho Correa  publicou um esclarecimento nas redes sociais do cantor desmentindo boatos de que teria morrido de Covid-19. O vocalista do “Carrapicho”, de fato,  está internado na UTI do hospital da Samel , entubado e lutando pela vida.

Repúdio às Fakes

No comunicado, a família repudia "fake news" e explica: "Ele está na UTI da Samel [em Manaus], intubado, mas se recuperando bem da covid-19. Agradecemos aos verdadeiros amigos que estão na torcida por sua recuperação e pedimos desculpas pelo susto que alguns irresponsáveis espalharam de que Zezinho teria falecido."

Zezinho está na Samel

Auxílio Manaus

O prefeito David Almeida (Avante) anunciou que vai pagar o  Auxílio Manauara, no valor de R$ 200 para 40 mil famílias durante um ano.

— É uma das nossas propostas de campanha e está no nosso planejamento dos 100 primeiros dias. Já no início de abril pagaremos o Auxílio Manauara –, confirmou o prefeito.

Médicos Sem Fronteiras

Aliás, David está indo buscar apoio  da organização mundial Médicos Sem Fronteiras,  para o enfrentamento da fase roxa Covid-19.

Na quinta-feira, 7/01, representantes da Prefeitura participaram de uma reunião com o coordenador da ONG no Brasil, Francesco Di Donna,  para alinhar assuntos relacionados à fase roxa que .

Como funciona

Di Donna explicou que a organização atuaria por meio de  contrato de cooperação de colaboração onde a Médicos Sem Fronteiras traria profissionais treinados de acordo com o protocolo de Madrid para conter os casos mais graves de Covid-19.

Enem adiado

Defensoria Pública da União (DPU) pediu nesta sexta-feira o adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) à Justiça Federal da 3ª Região, devido ao aumentos de casos da Covid-19. As provas do exame estão previstas para ocorrer de forma presencial nos dias 17 e 24 deste mês.

No pico da  2ª onda

A data da primeira prova está agendada exatamente no pico da segunda onda de infecções, sem que haja clareza sobre as providências adotadas “para evitar-se a contaminação dos participantes da prova, estudantes e funcionários que a aplicarão”,  –,escreveu a DPU na peça.

Agora não

O documento pede que a prova seja adiada "até que possa ser feito de maneira segura, ou ao menos enquanto a situação não esteja tão periclitante quanto agora".

Bolsonaro teme 2022

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta quinta-feira (7/1) que a cena de invasão ao Congresso americano ocorrida na quarta-feira pode se repetir no Brasil, caso o voto impresso não seja instituído.

— Se nós não tivermos o voto impresso em 22, uma maneira de auditar o voto, nós vamos ter problema pior que os Estados Unidos – ameaçou o ex-capitão.

Luz amarela

As declarações de Bolsonaro de que atos de violência,  possam se repetir no Brasil em 2022 levantaram o alerta da alta cúpula das Forças Armadas.

Canoa furada

No entanto, a  avaliação, dentro de Exército, Marinha e Aeronáutica, é de que os militares, dificilmente, embarcariam em uma investida autoritária contra um presidente eleito. Porém, existem preocupações com manifestações civis.

Acusa sem provas

Entre os especialistas, as impressões são parecidas, com maiores preocupações em torno de manifestações civis. O cientista político Cristiano Noronha, disse ao Correio  Braziliense  que o discurso de Bolsonaro de contestar o processo eleitoral vem de antes de sua eleição.

— Já disse que tem provas sobre isso, mas nunca apresentou. Se ele perder em 2022, vai colocar em dúvida as nossas urnas e pode acontecer coisa semelhante com o que ocorreu nos Estados Unidos –, afirmou.

Vai ficar só

Noronha também adverte  que os Poderes constituídos não vão corroborar a insurgência, tampouco as Forças Armadas.

— Não vai haver apoiamento por parte das Forças Armadas, do TSE, do Congresso e, muito menos, do STF!

Trump não quer nem saber da porre

Trump fora da posse

Aquilo que já vinha sendo especulado havia semanas tornou-se oficial. Nesta sexta-feira (8), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, publicou em seu Twitter que não vai comparecer à cerimônia de posse de seu sucessor, o democrata Joe Biden.

To all of those who have asked, I will not be going to the Inauguration on January 20th.

Tradução: “Para todos aqueles que perguntaram, eu não vou à posse no dia 20 de janeiro”, escreveu ele na rede.

Ele voltou

O vice-presidente Hamilton Mourão recebeu alta médica nesta sexta-feira (8/01), após ter sido diagnosticado com covid-19 no último dia 27.

Segundo nota da assessoria de imprensa, o general de 67 anos retornará ao trabalho, no Palácio do Planalto, na próxima segunda-feira (11).

ÚLTIMA HORA

“Se você me perguntar se vai correr bem o programa de imunização, eu não tenho a menor ideia, porque não dá pra confiar no Ministério da Saúde”. A advertência é do médico e escritor Drauzio  Varella (no traço de Jeremias) , em entrevista à Carta Capital. Ele lembra que o Brasil tinha o melhor programa de imunização gratuita do mundo. “O que aconteceu é que o desmontamos. Substituímos pessoas-chave por incompetentes, que não têm ideia do que estão fazendo. Isso foi um crime contra a saúde dos brasileiros”.

Drauzio disse que o Brasil entrou em  2021 sem uma previsão concreta de quando vacinará sua população contra a Covid-19, enquanto 50 países já começaram suas campanhas de imunização, mas o País ainda se vê envolto em impasses básicos – caso da dificuldade em comprar seringas.

Drauzio criticou o governo federal

ORGULHO

Finalmente. Depois da pressão da mídia e da sociedade, o Ministério da Justiça resolveu fazer alguma coisa e correr, com atraso, em busca da vacina contra o coronavírus.  Logo após o anúncio de que a CoronaVac é segura, 100% eficaz em casos graves de covid-19 e 78% em casos leves, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou assinatura de um contrato com o Instituto Butantan para o fornecimento de 100 milhões de doses da vacina. Serão 46 milhões até abril e outras 54 milhões de doses até o fim do ano. O ministro  afirmou que toda a produção do Butantan será incorporada ao Plano Nacional de Imunização, para distribuição em todo o país.

VERGONHA

Em uma participação no Jornal da Cultura nessa quarta-feira (06/01), o fundador da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Gonzalo Vecina, deu uma declaração polêmica, que viralizou nas redes sociais.  Na questão do isolamento para combater o coronavírus, ele deu o exemplo da Europa com o lockdown e disse que se o Brasil não fizer o mesmo não terá chance de diminuir o número de casos. “Isso (isolamento social) terá consequências econômicas? Terá. Mas salvará vidas que vão tocar a economia no momento seguinte”, disse. Ana Paula complementou perguntando se essa opinião era um consenso entre os médicos. “Na minha área tem muito médico burro, que ainda dá cloroquina”, respondeu arrancando a risada da apresentadora e da outra convidada. “É um consenso entre os médicos inteligentes”, completou.

Mário Adolfo

Mário Adolfo

Jornalista formado pela UA, com mais de 40 anos de experiência. Dois prêmios Esso e criador do personagem Curumim, o Último herói da Amazônia.