BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Pesquisa mostra Amazonino com 32% e Wilson Lima com 19% na corrida ao governo do AM



O instituto Real Time Big Data divulgou nesta segunda-feira (11) um levantamento com as intenções de voto para o governo do estado do Amazonas. A avaliação teve dois cenários na pesquisa estimulada (em que os nomes dos candidatos são apresentados ao eleitor).

No primeiro, o ex-governador Amazonino Mendes (Cidadania) lidera com 32%, seguido pelo atual mandatário, Wilson Lima (União Brasil), com 19%, e por Eduardo Braga (MDB), com 17%. Lima e Braga estão empatados tecnicamente. A margem de erro do levantamento é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Cenário 1:
Amazonino Mendes (Cidadania): 32%
Wilson Lima (União Brasil): 19%
Eduardo Braga (MDB): 17%
Ricardo Nicolau (SD): 5%
Henrique Oliveira (Podemos): 4%
Carol Braz (PDT): 3%
Marcelo Amil (PSOL): 1%
Brancos e nulos: 9%
Não sabem/não responderam: 10%

Cenário sem Amazonino traz atual governador com 24% e Eduardo Braga com 21%; Arthur Virgílio Neto lidera pesquisa ao Senado.

Cenário 2:
Wilson Lima (União Brasil): 24%
Eduardo Braga (MDB): 21%
Plínio Valério (PSDB): 13%
Ricardo Nicolau (SD): 7%
Henrique Oliveira (Podemos): 5%
Carol Braz (PDT): 4%
Marcelo Amil (PSOL): 1%
Brancos e nulos: 12%
Não sabem/não responderam: 13%

O instituto também realizou uma pesquisa estimulada para avaliar a intenção de voto na corrida ao Senado pelo Amazonas. O ex-ministro Arthur Virgílio Neto (PSDB) lidera com 21%, seguido por Omar Aziz (PSD), com 15% e Coronel Menezes (PL), com 14%.

Arthur Virgílio Neto (PSDB): 21%
Omar Aziz (PSD): 15%
Coronel Menezes (PL): 14%
Luiz Castro (PDT): 9%
Chico Preto (Avante): 7%
Brancos e nulos: 18%
Não sabem ou não responderam: 16%

Redação

Redação

As principais notícias do Amazonas, do Brasil e do mundo. Mais de 40 anos de jornalismo com credibilidade.

Manaus