Calendário

outubro 2019
D S T Q Q S S
« set    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Passo a Paço se consolida como ‘Rock in Rio’ da Amazônia

O sucesso de público continuou no segundo dia do Festival Passo a Paço 2019, levando uma multidão de pessoas às ruas do Centro Histórico de Manaus, nesta sexta-feira, 6/9, para conferir shows que foram do pop e hip hop à clássica MPB, além de feira gastronômica, intervenções, visitas ao Museu da Cidade e uma diversidade de atrações.

Acompanhado da presidente do Fundo Manaus Solidária, a primeira-dama Elisabeth Valeiko Ribeiro, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, prestigiou a segunda noite do festival. Ele fez questão de circular por diferentes setores do evento e, ao conversar com o público, destacava que todo o Passo a Paço foi pensado de forma especial para comemorar os 350 anos da cidade de Manaus.

“O Passo a Paço a cada ano fica maior e já se tornou uma espécie de ‘Rock in Rio’ caboclo. Temos quatro palcos espalhados no Centro Histórico, com muita arte, música e gastronomia, e ainda o nosso Museu. Sem dúvida já é o ‘Rock in Rio’ do Amazonas”, comparou o prefeito.

Encontro de gerações na Plataforma Malcher

Consagrado como um dos maiores cantores latinos do mundo, da velha guarda da MPB, Fagner subiu ao Palco Plataforma Malcher às 21h, aclamado instantaneamente pelo público presente. O cantor interpretou no palco seus maiores sucessos, como “Borbulhas de Amor”, “Revelação”, “Deslizes”, “Canteiros”, “Espumas ao Vento” e “Noturno”, com direito a coro do público.

“Quero agradecer pela oportunidade de voltar a essa cidade que sempre me acolheu tão bem desde a primeira vez que vim aqui, e pela oportunidade de mostrar essa banda de músicos espetaculares, trabalhando minha música no nível em que o público possa participar. O público hoje cantando foi melhor do que o show! Faço 70 anos esse ano e é uma história que faz várias conexões em vários lugares do mundo, com vários artistas. É realmente muito emocionante receber esse carinho do público”, ressaltou Fagner.

O encontro de gerações encerrou com o rapper Emicida, que se apresentou logo em seguida na Plataforma Malcher. Considerado um dos maiores nomes do hip-hop brasileiro na década de 2000, Emicida levou ao palco sucessos como seu recente single, “AmarElo”, lançado em parceria com Majur e Pabllo Vittar, e que deve representar uma nova era em sua carreira.

“Noite de climão” no Palco da Banana

Encerrando a segunda noite de shows no Palco da Banana, a carioca Letrux apresentou em Manaus um dos últimos shows da sua turnê atual. Envolta em panos vermelhos e usando óculos escuros, a cantora já começou com a música “Vai Render”, que teve clipe lançado nesta sexta, e daí em diante encantou o público com sua performance regada a muita dramaticidade.

“É nossa primeira vez aqui e só tenho a agradecer aos organizadores por este festival. O rosto do público foi ótimo e já me imaginei até fazendo um clipe aqui na região”, comentou a cantora durante o show.

Letrux cantou ainda sua versão inédita “Ouro Puro”, que ficou conhecida nos anos 80 na voz de Elba Ramalho. O single, que ainda está em fase de finalização, será lançado oficialmente em outubro. Na última música, Letrux ainda desceu do palco e interagiu com o público presente.

Antes disso, a terceira atração da noite no Palco da Banana, a amazonense Anne Jezini também foi aclamada pelo público, com seu pop conceitual, homenagens a artistas amazonenses e músicas do seu novo álbum, “Hilda”, ainda não lançado, e gravado com o apoio do Edital de Conexões Culturais, da Prefeitura de Manaus.

Coreto

A cantora Elisa Maia foi a terceira atração a passar pelo Palco Coreto, na Praça Dom Pedro II. Elisa levou como convidada Karen Francis, ao lado de quem tocou músicas que estarão em seu novo disco, a ser lançado em breve. Uma das músicas, “Todo Poder Curativo”, foi dedicada a seu pai.

Fechando a programação do Coreto, o grupo musical Pororoca Atômica prezou pelo agito e divertiu o público com hits carnavalescos, lambada, carimbó, além de ritmos regionais. A Praça Dom Pedro II reuniu um grupo que dançava e cantava, seguindo o ritmo.

Deixe uma resposta