Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

O Alto Solimões está cada vez mais perigoso


O tráfico de drogas é um componente explosivo para o aumento da pirataria e violência na Amazônia. O trecho do Rio Solimões entre as cidades de Coari e Tefé, no Amazonas, dominado por piratas, é o mais violento entre os rios da Amazônia, por causa dos carregamentos de drogas que vêm da Colômbia e do Peru.

“Eles ficam na espreita para ver os traficantes com droga, assaltam esses traficantes, matam para não deixar vestígio nenhum, pegam a droga e vendem para os adversários”, revela Mauro Sposito, delegado de Polícia Federal aposentado, especializado em crime organizado, e assessor da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas. Quando não têm droga, as embarcações têm que pagar um ‘pedágio’ de 2 mil litros de combustível.

“Marinha, Polícia Federal e Forças Armadas apreendem droga o tempo todo… Os traficantes passaram a descer mais armados para proteger a carga”, afirma Sergio Fontes, secretário de Segurança Pública do Amazonas.

Várias operações da Polícia Militar, em conjunto com o sindicato dos armadores, também têm sido feitas para tentar conter os ataques no trecho. Para fiscalizar as embarcações que navegam pelo Solimões, foi instituída a Base Anzol, que funciona 24 horas por dia na tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru, para tentar conter crimes como o narcotráfico internacional, contrabando e a violência na região. Também tem sido feita a compra de material bélico para aumentar o patrulhamento na área.

No entanto, Fontes teme que a desmobilização das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) aumente o nível de violência na região. “A polícia colombiana já encontrou vários locais cavados na terra com armamento, droga e dinheiro. Nosso medo é ter cada vez mais mercenários das Farc protegendo droga e o nível de enfrentamento aumentar”.

Segundo Fontes, o Alto Solimões está cada vez mais perigoso. “O Exército teve combates com traficantes na fronteira. Quando começam a enfrentar o Exército, é porque a coisa está bem perigosa.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mário Adolfo Filho

Mário Adolfo Filho

Jornalista, formado pela Universidade Federal do Amazonas. Com passagem por grandes jornais de Manaus, Prefeitura de Manaus, Câmara Municipal de Manaus e Câmara dos Deputados.