Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Jornalistas protestam contra desorganização no credenciamento da Imprensa


Parintins – AM – Profissionais da imprensa, principalmente de veículos de Parintins, que divulgam o evento o ano todo, se viram obrigados a voltar pra casa, sem poder realizar o trabalho de cobertura do cobertura do 53º Festival folclórico de Parintins, a 369 quilômetro de Manaus. Não só o atraso e as falhas de digitação, mais ainda o não credenciamento de vários repórteres gerou uma série de protestos contra o que eles chamam de desorganização do setor responsável pelo credenciamento.

Sob o título “Governo do Estado dificulta trabalho da imprensa no Bumbódromo”, o protesto do apresentador da TV Em Tempo Parintins, Tadeu de Souza teceu críticas em seu Blog. “Sou um dos poucos profissionais de imprensa que tem a honra de dizer que participa da cobertura do Festival Folclórico desde 1977. Mais tempo de Festival do que eu em Parintins e no Estado só radialista Aderaldo Reis e o jornalista Mário Adolfo, meu companheiro no EM TEMPO. Mas, nunca tinha visto tamanha desorganização no credenciamento e tamanho desrespeito para com a imprensa, em particular a de Parintins como neste ano e neste governo ‘interino’”, escreveu.

Tadeu diz não ter havido problemas em anos anteriores, quando o credenciamento ficou sob a responsabilidade das empresas de comunicação detentoras dos direitos de imagem da festa. “Agora é um samba do crioulo doido que ninguém consegue entender. Somem as fotos. Somem os e-mails. Ninguém sabe explicar”, reclama.

Orsine Oliveira Jr. presidente da AmazonasTur

“Para completar esse quadro de desorganização, me disseram que a orientação é da Amazonastur. Uma “novidade”: a imprensa não pode ficar no fosso  criado para ela. Nele só podem permanecer fotógrafos que terão que usar um colete em regime de revezamento. Ou seja, é o cúmulo do absurdo. É molecagem. É falta do que fazer. É desrespeitar o trabalho da imprensa”, comenta Tadeu de Souza.

Segundo informações, mais de dez repórteres ficaram sem credenciais, mesmo tendo recebido e-mails informando da aprovação do pedido de credenciais. No meio da apresentação do Boi caprichoso, nesta sexta-feira, o jornalista Carlos Frazão ironizou em um grupo de WhatsApp: “Obrigado Amazonastur! Em 21 anos esta é a primeira vez que assisto meu Boi aqui em casa… Ainda vale a pena divulgar nosso festival o ano todo???”.

Problemas deixaram sala da Secom lotada em Parintins

Texto: Floriano Lins, de Parintins

Mário Adolfo Filho

Mário Adolfo Filho

Jornalista, formado pela Universidade Federal do Amazonas. Com passagem por grandes jornais de Manaus, Prefeitura de Manaus, Câmara Municipal de Manaus e Câmara dos Deputados.