BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Em Dubai, Bolsonaro diz que Amazônia não pega fogo por ser 'úmida'


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) declarou, nesta segunda-feira (15), que os ataques feitos ao Brasil em relação à Amazônia "não são justos". O gestor, que participa de um evento com investidores em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, ainda convidou os presentes a conhecer a floresta que, segundo ele, "por ser úmida, não pega fogo".

Entretanto, conforme explicou o ambientalista Antonio Oviedo, assessor do Instituto Sócio-Ambiental (ISA), ONG presente na Amazônia há 25 anos, ao portal G1, "afirmar que a floresta é úmida como um todo era algo verdadeiro há 60 ou 70 anos; hoje, com 20% desmatado, isso não é mais um fato".

Dados colhidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) informam que os focos de incêndio na floresta estão acima da média nos últimos meses. Em junho, por exemplo, houve o maior número de focos para o mês em 14 anos.

'AMAZÔNIA ESTÁ PRESERVADA'

"Os ataques que o Brasil sofre quando se fala em Amazônia não são justos. Lá mais de 90% daquela área está preservada. Está exatamente igual de quando foi descoberto no ano de 1500. A Amazônia é fantástica”, também declarou o presidente no evento.

No entanto, a afirmação dada pelo chefe do Executivo nacional também não é correta, conforme os dados do Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes) — monitoramento realizado pelo Inpe a partir de imagens de satélite —, que aponta que cerca de 729 mil km² do bioma Amazônia foram totalmente desmatados até 2020, número equivalente a 17% do total.

O coordenador do MapBiomas, Tasso Azevedo, explicou ao portal G1 que essa quantidade pode ser ainda maior.

Fonte: Diário do Nordeste

Redação

Redação

As principais notícias do Amazonas, do Brasil e do mundo. Mais de 40 anos de jornalismo com credibilidade.

Manaus