BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Dito & Feito - Rejeição de Bolsonaro tira o sono de políticos do Amazonas, mas alguns prometem “morrer abraçados”



A rejeição ao governo Bolsonaro anda tirando o sono de políticos do PL, inclusive do Amazonas, como é o caso do ex-prefeito Alfredo Nascimento que já foi “petista” desde pequeninho e agora é “bolsominion” dos brabos, ameaçando expulsar do partido quem não virar “cão de guarda” do Jair.

—  Aqui no Amazonas, que é da minha responsabilidade conduzir o processo político partidário, quem não for Bolsonaro está fora! – ameaçou Nascimento, observando que

que o partido pode até não ter candidato ao Governo no Estado, mas apoiará quem é Bolsonaro.

Uma pesquisa pelo Instituto de Pesquisas Cananéia (Ipec) mostra que a rejeição ao governo Bolsonaro atingiu 55%. Trata-se do maior percentual desde o início do mandato, em 2019.

—Na sua avaliação, o governo do presidente Jair Bolsonaro está sendo? ..." –, perguntou o Ipec aos 2.002 mil entrevistados em 144 municípios, entre os dias 9 e 13 de dezembro, com as opções "ótimo", "bom", "regular", "ruim" ou "péssimo".

Veja os resultados

Ótimo/bom: 19%

Regular: 25%

Ruim/péssimo: 55%

Não sabe/não respondeu: 1%

A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, com nível de confiança de 95%.

Mais ferro

Outra questão levantada na pesquisa foi resta

— O senhor (ou a senhora) aprova ou desaprova a maneira como o presidente Jair Bolsonaro está governando o Brasil?

Entre os resultados, 27% aprovam; 68% desaprovam e 4% não sabe ou não respondeu.

Os que vão morrer...

Diante dos quadros, políticos inteligentes já deveriam estar arrumando as malas para desembarcar do apoio cego a Bolsonaro.

No entanto, alguns deles acreditam que o ex-capitão ainda está surfando no equivoco de 2018, quando muitos acreditaram que se tratava do “novo” e ferrenho  “caçador de corruptos.

...Em teu nome te saúdam

E juram de pés juntos que estão dispostos a  morrer abraçados com o presidente.

Entre esses os “fiéis”, destacam os senadores Plínio Valério (PSDB), Eduardo Braga (MDB), os deputados federais Átila Lins (PP),  Silas Câmara (Republicanos) , Alberto Neto (Republicanos), delegado Pablo (PSL) e    Bosco Saraiva (Solidariedade).

Subserviência

Na assembleia Legislativa, à exceção do líder do PSB, Serafim Corrêa, o restante dos parlamentares também são bolsominions “desde pequenininhos”.

A ponto de darem o título de Cidadão do Amazonas ao homem que só ferra a Zona Franca, prometeu asfaltar a BR-319 e até ontem "necas de catibiribas"; que deu as costas para o estado quando vivemos o maior tormenta da pandemia em 2020.

Ele voltou

Depois de viver o maior inferno astral de sua existência, o ex-governador José Melo colocou a cabecinha de fora do bunker em que vinha vivendo depois da condenação e do afastamento do cargo de governador.

Melo enviou mensagem de ano novo a velhos amigos e também outros nem tanto amigos.

Depois da tempestade, Zé Melo retorna à arena política, de olho no cargo que perdeu

Ano novo, candidato velho...

Através do WhatsApp, o político que está de olho na eleição de 2022, escreveu uma mensagem simples de Natal( com um “ligeiro” atraso) e de  Ano Novo. “Bom dia amigos,  passando para  desejar a vocês e aos seus entes queridos, boas festas  e um feliz ano novo”.

Presente de Deus

No texto, Melo procurou valorizar aqueles que não os esqueceram na hora do pesadelo.

— Lembrando que a sua amizade é um presente de Deus para mil –, disse o ex-governador.

Todos não, alguns!

E por falar em Zé Melo, não é verdade que a eleição para o governo, em outubro deste ano, reunirá todos os ex-governadores eleitos do Amazonas. O senador Omar Aziz (PSD), ex-governador eleito, já confirmou que está fora da corrida para voltar ao governo. É candidatíssimo sim, mas ao  cargo de senador, na tentativa de reeleição.

Te cuida, Wilson!

Agora Amazonino Mendes, Eduardo Braga e Zé Melo, estes sim, estão de olho gordo na cadeira de Wilson Lima que também disputará a reeleição.

Boa, Lima!

E falando no governador, ele autorizou o maior  pagamento da história em subvenção para 812 produtores de juta e malva de nove municípios do estado neste ano.

Juta bombando

Foram nada menos que R$ 2,7 milhões, valor referente à safra 2020/2021. Trata-se de um recorde na atual administração e ultrapassa em quase 300% a subvenção paga em 2018.

Presidente Alberto Fernandes faz o gesto Lula Lá. Tá explicado porque Bolsonbao não aceitou

Não chores por mim...

O governo argentino do presidente Alberto Fernández ofereceu ajuda humanitária ao governo brasileiro para o socorro às vítimas das enchentes no Estado da Bahia.

... Argentina!

A ajuda seria o envio de uma equipe de dez  pessoas do organismo chamado Cascos Blancos (Capacetes Brancos), vinculado ao Ministério das Relações Exteriores do país, com especialização e longa trajetória de atuação em situações de tragédias internacionais.

Bolsonaro rejeitou

Mas o  governo brasileiro dispensou a ajuda, argumentando que já está trabalhando nesta situação e, caso necessário, aceitaria a oferta argentina.

Mas o baiano aceitou

Mais tarde, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou no Twitter que a Argentina ofereceu ajuda diretamente às cidades afetadas, apesar da negativa do governo Bolsonaro.

"Me dirijo a todos os países do mundo: a Bahia aceitará diretamente, sem precisar passar pela diplomacia brasileira, qualquer tipo de ajuda neste momento", escreveu o petista.

ÚLTIMA HORA

AMARGO REVÉILLON – Bolsonaro desfecha outro golpe na Zona Franca no último dia do ano

No último dia do ano (31), Jair Bolsonaro reduziu o incentivo tributário destinado aos fabricantes de refrigerantes produzidos na Zona Franca de Manaus. O decreto publicado no Diário Oficial vai diminuir o crédito que os grandes fabricantes de refrigerantes podem acumular ao vender o xarope produzido em Manaus (AM) para engarrafadores instalados em outros Estados. De ac ordo com a Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CERVBRASIL), essa medida reduz as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para extratos concentrados para elaboração de refrigerantes. Quanto menor é a alíquota, menor é o crédito que pode ser usado pelos gigantes de refrigerantes.

A redução do IPI significa, na prática, que as indústrias de refrigerantes terão menos "créditos" do tributo. Ou seja, pagarão mais impostos, como os demais fabricantes de bebidas.

ORGULHO

O Papa Francisco condenou a violência contra a mulher na primeira missa de 2022, neste sábado, 1º de janeiro. E disse que ferí-las é ultrajar a Deus. “Quanta violência existe contra as mulheres. Já chega! Machucar uma mulher é ultrajar a Deus, que tomou sua forma humana de uma mulher”, disse pontífice em homilia na Basílica de São Pedro, no Vaticano. A missa foi no dia em que a Igreja Católica celebra a Solenidade de Maria Santíssima. Desde que a pandemia de covid-19 começou, Francisco se pronunciou várias vezes contra a violência doméstica, que aumentou em muitos países após os bloqueios deixarem muitas mulheres presas com seus agressores em casa. O Brasil é o quinto país do mundo em ranking de violência contra a mulher, atrás somente de El Salvador, Colômbia, Guatemala e Rússia.

VERGONHA

Os atos em protesto contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) durante shows continuam. No último sábado (1º/01), foi a vez dos fãs de Claudia Leitte puxarem um coro de “Fora, Bolsonaro” durante apresentação da cantora na Prainha da Claudinha, em Natal (RN). Porém, a resposta da artista não foi a que muitos esperavam. Em um vídeo que viralizou nas redes sociais, o público grita contra o presidente, mas Claudia não diz nada. No final da gravação, ela apenas sorri e a banda volta a tocar. “Que vergonha Claudia Leitte, aprenda com a arte, a arte é política, se seu público grita: “FORA BOLSONARO!” Você tem que abraçar a causa, não só pra ganhar dinheiro. Parece que só abraça a comunidade quando convém né?”, tuitou um internauta.

Mário Adolfo

Mário Adolfo

Jornalista formado pela UA, com mais de 40 anos de experiência. Dois prêmios Esso e criador do personagem Curumim, o Último herói da Amazônia.