BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Dito & Feito - Plínio diz que o Brasil ainda é “o país que mais preserva o meio ambiente” e alinha discurso com o de Bolsonaro


É impressionante como a bancada do Amazonas no Congresso minimiza a questão das queimadas na Amazônia. Nossos parlamentares chegam a fazer um esforço para alinhar seu discurso com o do presidente Jair Bolsonaro, que estarreceu o mundo ao culpar índios, caboclos e o verão pelas queimadas na  região. O senador Plínio Valério (PSDB-AM) reclamou do que ele chama de “hipocrisia com que questões ambientais vêm sendo tratadas no Brasil”. Para ele, a hipocrisia fica mais clara quando dizem que “o que ocorre na Califórnia é incêndio e o que acontece aqui é queimada”.

Apesar de reconhecer a gravidade da situação no Pantanal, o parlamentar disse que o Brasil ainda é o país que mais preserva seu meio ambiente e não pode ser considerado um vilão perante a comunidade internacional.

Então, tá!...

Ah, a  culpa é das ONGs?

O “caboclo sonhador”- como se intitula –  disse que o Fundo Amazônia tem dinheiro, “mas tem dinheiro para dar para as ONGs que se encaixam como uma luva no que eles exigem”.

— Uma só ONG do Amazonas recebeu R$ 54 milhões num ano, enquanto o governo todo recebeu R$ 37 milhões.

Vai preservar o quê?

Aliás, o discurso de Valério também se “encaixa como uma luva” à desculpa que o presidente deu às Nações Unidas. Pare ele, enquanto “esse pessoal não entender, ou fingir que não entende, que não existe proteção do meio ambiente sem a questão social, não se pode exigir do nossos conterrâneos”.

— Eles não têm dinheiro nem para comprar óleo, açúcar e sal. Vai preservar o quê e como? E nós sabemos preservar. Se a Amazônia fosse na Europa, estaria dizimada –, disse o tucano de Eirunepé.

Ecologistas de Ipanema

No domingo passado, diante dos filhos do presidente, Flávio e Eduardo Bolsonaro, o senador  Omar Aziz (PSD-AM) também aliou seu discurso ao de Bolsonaro.

Omar bradou em alto e bom som que  o Brasil não precisa de ninguém para cuidar da Amazônia.

— Nós sabemos cuidar do que é nossos. Não precisamos de ambientalistas que ficam tomando chope em Ipanema e Copacabana. Nós sabemos cuidar do que é nosso! –

70 mil focos de calor

Bom, pelo visto nosso  senador Aziz não tem acompanhado o noticiário. Senão vejamos:

de janeiro a meados de setembro deste ano, foram registrados 69,5 mil focos de calor (que costumam representar incêndios) na Amazônia, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Somente na primeira quinzena deste mês, na Amazônia, houve crescimento de 86% de focos de calor, em comparação ao mesmo período do ano passado.

Contaminação por mercúrio

Balsas de garimpo de ouro operam ilegalmente desde junho no Rio Madeira, em Humaitá, no Sul do Amazonas. E é claro que a extração ilegal de ouro na Amazônia depende do mercúrio, um elemento altamente tóxico. E esse material envenena os rios e compromete a saúde de toda a população da região.

Peixe contaminado

De acordo com o Laboratório de Ictiologia e Ordenamento Pesqueiro do Vale do Rio Madeira da Ufam, uma pesquisa feita em um dos afluentes do Madeira mostrou que os peixes têm índices de mercúrio acima do permitido pela OMS (Organização Mundial da Saúde, e que grande parte do pescado da bacia do rio está contaminada.,

Desmonte

O governo do capitão Jair Bolsonaro – com o auxílio  de  seu desastrado ministro Ricardo Salles – promoveu o desmonte das políticas ambientais no país.

Esvaziou entidades como  o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Ministério do Meio Ambiente e do Serviço Florestal Brasileiro (IFB).

Presidente culpou os índios e caboclos pelas queimadas 

Perguntar não ofende

Diante de tudo isso – e muito mais –, será mesmo que o Brasil de Jair Bolsonaro sabe mesmo cuidar da Amazônia, senador Omar?

Agradeça aos índios

O deputado Serafim Corrêa (PSB) rechaçou, nesta quarta-feira (23), a fala do presidente Bolsonaro – e de alguns políticos que engrossam o discurso equivocado do capitão de que quem queima a floresta são os índios e povos tradicionais.

— Foram os índios que mantiveram a Amazônia absolutamente preservada, sem devastá-la, sem jogar fogo, sem fazer nenhum mal a floresta. Nós devemos muito a eles.

Fogo é agro

Para Sarafa, os incêndios, as queimadas e a devastação vêm com o agronegócio irresponsável que avança pelo Mato Grosso e chega ao Sul do Amazonas e ao Sul do Pará.

— As origens da devastação da floresta estão comprovadas através de dados dos sistemas de monitoramento ambiental. É só pegar o mapa do Brasil no Google. Isso é foto de um satélite. Satélite que foge do nosso controle ou de qualquer interferência local –, disse o líder do PSB.

TCE aprova Arthur

As contas do prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, exercício 2019, foram aprovadas, sem ressalvas, pelo Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM), nesta quarta-feira, 23/9, em sessão solene especial realizada por videoconferência.

Elogios à Corte

Arthur disse que acompanhou a sessão com o sentido do dever e, ao mesmo tempo, com desejo de saber o que pensava a Corte de Contas sobre sua administração fiscal.

TCE aprovou as contas 2019 do prefeito 

— O Corte de Contas  só cresce, porque não é persecutória, mas pedagógica, o que só contribui para o fortalecimento da democracia –reafirmou o prefeito.

Segue em quarentena

Em telefone à D&F, o vereador Marcelo Serafim, presidente do PSB no Amazonas,   disse que continua na quarentena, mas está bem.

—  Hoje fiz  exame de sangue, não tem alterações  hematológicas que indiquem risco aumentado de trombose e o pulmão está limpo.

O vírus na classe média

Sobre o momento da pandemia, Marcelo Serafim registra que  houve um aumento de  internações no extrato da população de classe média com plano de saúde.

— Na parcela da população das áreas mais carentes não houve um grande aumento das internações, quando a gente compara nos dois momentos.

Braga e o gás

O senador Eduardo Braga (MDB-AM) afirmou nesta 4ª feira, 23/09, que possíveis alterações no novo marco legal do gás natural –projeto de lei 6.407 de 2013 – podem ser feitas depois da votação no Senado por meio de decretos presidenciais.

— Mesmo com o texto que veio, é possível em nível infralegal –através de decretos presidenciais – remover essas questões – afirmou, referindo-se a mudanças no texto aprovado na Câmara dos Deputados no começo do mês.

Esperançoso

Braga afirmou que ainda não foi designado relator do texto, mas que Davi Alcolumbre “deu a esperança de que seria” ele mesmo.

Monopólio

A expectativa do governo federal é que, se aprovada como está, a proposta quebrará o monopólio da Petrobras, atrairá competitividade para o setor do gás natural e, assim, barateará o insumo

ÚLTIMA HORA

Atingida por um dardo com tranquilizador, a onça-pintada enjaulada se ergue com um rosnado angustiado nas patas queimadas e enfaixadas. A fêmea, batizada de Amanaci, é uma das incontáveis vítimas dos piores incêndios já registrados no Pantanal, o maior pântano do mundo. A região abriga a maior população de onças-pintadas da Terra.

Resgatada por voluntários, Amanaci foi levada a uma fazenda de Goiás administrada por uma ONG que se dedica a proteger felinos selvagens ameaçados de extinção. O animal está sendo tratado com a medicina veterinária mais avançada, recebendo injeções de células-tronco que aceleram a recuperação de tecido queimado e a regeneração de novos tecidos.

Os animais são sedados para fazer curativo 

ORGULHO

O Brasil despertou na terça, 22/09, com um novo vídeo do maestro João Carlos Martins usando as luvas biônicas e tocando com uma emoção de arrepiar. A música, postada no Instagram é Marcello, de Bach e o maestro mostra que a recuperação dos movimentos dele está melhor a cada dia.Em fevereiro de 2019 João Carlos Martins passou pela 24ª cirurgia nos nervos do braço esquerdo, para conter as dores crônicas e os médicos disseram que o maestro não poderia mais tocar piano, porque a mobilidade ficaria reduzida.

VERGONHA

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), em Manaus, cantou uma musiquinha de mau gosto ao lado de seu irmão Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e do apresentador Sikêra Jr. ‘Yoga, yoga, yoga/ Todo maconheiro dá o toba”,  cantaram em frente às câmeras da TV A CRÍTICA na capital amazonense. O probl 24SETema é que Flávio Bolsonaro não compareceu à acareação prevista para esta segunda-feira (21) com o empresário Paulo Marinho, sobre o suposto vazamento da Operação Furna da Onça, em 2018. O Zero Um, filho do presidente Jair Bolsonaro, alegou que tinha agenda “importante” na cidade do Rio. As redes sociais não perdoaram e disseram que Flávio Bolsonaro fugiu do ‘olho no olho’ com Paulo Marinho.

Mário Adolfo

Mário Adolfo

Jornalista formado pela UA, com mais de 40 anos de experiência. Dois prêmios Esso e criador do personagem Curumim, o Último herói da Amazônia.