BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Dito & Feito - Marcelo Ramos – “O remédio para economia e pandemia é o mesmo: vacina. É vacina no braço e comida no prato!”


O deputado amazonense Marcelo Ramos (PL)  alertou que a transição de comando no Ministério da Saúde precisa ser mais “rápida”. Para o parlamentar, não dá para um país que tem quase três mil mortes por dia e quase 300 mil mortos ficar esperando um ministro se desincompatibilizar de uma empresa privada da qual ele é sócio administrador.

— Não temos tempo para esperar. O ministro precisa resolver isso urgentemente, tomar posse e tomar as providências –, advertiu Ramos.

O deputado observou que um ministério em transição é um ministério que tem dificuldade em dar agilidade necessária às respostas que o Brasil precisa.

— O novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi anunciado no dia 15 de março.

Único remédio

Marcelo Ramos também disse que os brasileiros não podem assistir passivamente o país registrar quase três mil mortes diárias pela Covid-19. Para ele, a salvação da economia e o combate à pandemia, duas grandes preocupações dos gestores, dependem de apenas uma coisa: das vacinas.

— Não existem remédios diferentes, o remédio para economia e pandemia é o mesmo: vacina. É vacina no e comida no prato –, disse, defendendo, novamente, a importância de uma coordenação nacional.

Cutucou Bolsonaro

Aproveitando o gancho, Ramos mandou um recado a Jair Bolsonaro. Segundo o parlamentar, o presidente precisa reconhecer que o isolamento social não é a solução do problema, mas é o único instrumento para diminuir o número de internações.

— A máscara não é a solução, mas é um paliativo para diminuir as internações ao mesmo tempo. E a única solução estruturante é a vacina.”

Pazuello de novo

General Pazuello no Ministério da Amazônia?

Ao menos é isso que garante  o deputado federal Átila Lins (PP-AM),que diz “estar assim com o homem”. De acordo com a ”raposa felpuda” da política baré,  o presidente Jair Bolsonaro deu sua palavra de que vai criar o Ministério da Amazônia.

Logística de floresta

A nova pasta seria comandando pelo general Eduardo Pazzuelo – que entende tudo de logística de florestas – , assim  que ele deixar o Ministério da Saúde.

Corrida pela vida

Manaus superou no último fim de semana a marca dos 10% de pessoas vacinadas contra a Covid-19, com a primeira dose. O município  também ultrapassou a meta de vacinar 90% dos trabalhadores da saúde e idosos de quatro faixas etárias específicas.

Esperou sua vez

O senador Eduardo Braga, líder do MDB, foi vacinado hoje em Manaus. Braga tem 60 anos. No Twitter, o parlamentar escreveu:

Eduardo Baga toma a primeira dose de vacina em Manaus

Esperei minha vez, como deve ser. Hoje tomei a primeira dose da vacina contra o coronavírus. Uma oração no momento da vacinação e o pedido a Deus de que em breve possamos superar esta pandemia com vacina para todos.”

De volta à Casa

O ex-vice-prefeito de Parintins, Tony Medeiros (PSD) toma posse no cargo de deputado estadual nesta terça-feira (23), às 10h, durante Sessão no Plenário Ruy Araújo.

Medeiros assume a vaga no lugar de Josué Neto, que agora é conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM).

Renúncia

Tony Medeiros renunciou ao cargo de vice-prefeito nesta segunda-feira, após decisão tomada em consenso com o Prefeito de Parintins, Bi Garcia (PSDB).

Até breve

Já circulam na ilha comentários de que o ex-amo do boi Garantido só retorna a Parintins na condição de candidato a prefeito, com o apoio, claro, de Bi Garcia (PSDB).

Saiu em alta

Ao se despedir do cargo, Tony Medeiros foi homenageado na Câmara Municipal de Parintins pelos “relevantes serviços prestados ao povo do município”.

Para ser deputado, Tony Medeiros renunciou ao cargo de vice-prefeito de Parintins

Operação gratidão

A Secretaria Estadual de Saúde do Paraná (SESA) recebeu, na tarde de domingo (21), 200 cilindros de oxigênio enviados pelo governo do estado do Amazonas, região norte do Brasil.

Os cilindros foram transportados por uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) e chegaram ao aeroporto Afonso Pena por volta das 14h30.

Lei do retorno

O equipamento foi solicitado pelo governo do Paraná por causa do agravamento da pandemia no estado. Em janeiro deste ano, o Paraná recebeu 13 pacientes amazonenses.

Na hora do sufoco

Eles foram transferidos para o Paraná  porque não conseguiram atendimento durante o período em que o Amazonas não tinha oxigênio suficiente para atender os pacientes em estado grave, vítimas da Covid-19.

Psiquiatra alerta

Durante entrevista ao Jornal da Cultura, o psiquiatra forense Guido Palomba alertou para a possibilidade de termos um psicopata   na Presidência da República.

Para o especialista, “há elementos suficientes para que se possa dar uma hipótese diagnóstica” de Jair Bolsonaro.

Poder e tirania

De acordo com o psiquiatra, diante do comportamento do senhor Jair, há elementos suficientes para que se possa dar uma hipótese diagnóstica.

— Se acham os grandes poderosos, e aí vem a tirania, porque só eles que estão certos. Essas pessoas não deveriam nunca ter esse poder de mando, mas quando têm é sempre uma lástima.

Ególatras

Palomba citou ainda características da condutopatia (como ele prefere chamar a patologia):

São ególatras, ou seja, estão sempre pensando em si mesmos. São indivíduos que não têm remorso nunca. São tidos como pessoas toscas, capazes de ter determinados comportamentos e não percebem aquilo que estão fazendo de errado.”

ÚLTIMA HORA

Acabou a lua de mel do Centrão com Bolsonaro

A escalada de mortes na pandemia minou a aliança do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com o Centrão. Há pouco mais de um mês da vitória dos candidatos governistas nas eleições internas do Congresso, a parceria se alterou de um estado de "lua de mel" para cobranças públicas e ameaças veladas de abertura de impeachment e CPI para investigar o Planalto.  O deputado Fausto Pinato (Progressistas-SP) confirma que há uma mudança sutil no relacionamento do Centrão com o governo e que o "sinal laranja" de alerta já está ligado e "caminhando para o vermelho". "Ninguém vai querer se expor em um governo que pode acabar mal por causa da pandemia. Acredito que os líderes estão se afastando de Bolsonaro até ver no que vai dar esse ministro da Saúde e qual plano será adotado", afirmou Pinato.

— Se não mantiver um cronograma de vacinação, e as mortes aumentarem, não terá como segurar (a CPI) –, avisou.

Na semana passada, o presidente não aceitou a indicação da médica Ludhmila Hajjar, de perfil técnico, para substituir o general Eduardo Pazuello, no Ministério da Saúde. Ela havia sido endossada pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL). Lira ficou contrariado. Numa videoconferência, falou em evitar a "agonia" dos brasileiros e um "vexame internacional". Antes, ele se manifestava contra a abertura de um processo de impeachment de Bolsonaro. Chegou a dizer que não seria "prioridade" e poderia "desestabilizar" o País. Na última semana, esquivou-se com outro argumento: não teve "tempo" de analisar os pedidos.

ORGULHO

A arquiteta Patrícia Chalaça, de Recife, está realizando um sonho que transformou em compromisso de vida: construir casas para crianças pobres.  O que ela não imaginava, era que esse sonho impactaria mais 20 mil crianças no país. O projeto Casa da Criança vez fazendo famílias felizes  há duas décadas. Com mais de 20 anos de trabalho, Patrícia e seus parceiros já construíram dezenas de casas. É incrível ver que eles, de fato, não movimentam dinheiro. Trabalham com doações e o envolvimento da comunidade. O que começou com a meta de terminar uma única casa, cresceu e se transformou em pelo menos uma entrega por ano.

Patrícia Chalaça: arquiteta constrói casas para crianças necessitadas

VERGONHA

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) virou alvo da Polícia Federal (PF) após tecer críticas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Um inquérito foi instaurado pela instituição, que investiga uma suposta prática de crime contra a honra. O documento foi assinado pelo próprio Bolsonaro e conduzido posteriormente pelo ministro de Justiça e Segurança Pública, André Mendonça. As informações são do jornal Estado de S. Paulo. e acordo com o periódico, o inquérito cita uma entrevista concedida por Ciro Gomes, em novembro do ano passado, à “Rádio Tupinambá”, de Sobral/CE. Na ocasião, Ciro chamou Bolsonaro de “ladrão” e citou o caso da “rachadinha”, no qual o filho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), está sendo investigado.

Mário Adolfo

Mário Adolfo

Jornalista formado pela UA, com mais de 40 anos de experiência. Dois prêmios Esso e criador do personagem Curumim, o Último herói da Amazônia.