BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Dito & Feito - “Estou cansado de mentiras”, diz Omar Aziz na CPI


Após dar voz de prisão, em “ nome do Brasil”, ao ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias e receber vários pedidos para que voltasse atrás feitos por senadores, o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz, disse:

— Estou cansado de mentira aqui.

Roberto Dias saiu preso após prestar depoimento nesta quarta-feira à comissão, por mentir à comissão após divulgação de áudios que desmentem a versão dele sobre encontro, em restaurante em Brasília, com o cabo da Polícia Militar Luis Paulo Dominguetti, que o acusa de pedir propina de um dólar por dose de vacina vendida ao Ministério da Saúde.

— Ele está preso por perjúrio, por mentir. Se eu estiver cometendo um abuso de autoridade, que a advogada ou qualquer senador me processem. Ele será detido pelo Brasil. Estamos aqui pelos que morreram, pelas vítimas sequeladas. Não estamos aqui para brincar, ouvir historinha de servidor que pediu propina. O depoente que achar que pode vir aqui brincar, terá o mesmo destino. Ele está preso e a sessão, encerrada –

Turma do deixa disso

Senadores do chamado G7, grupo formado por senadores independentes e de oposição, também tentam reverter a decisão de Omar Aziz. Os senadores Otto Alencar, Randolfe Rodrigues e Humberto Costa estão ao lado de Aziz.

O Serafim é outro

Um certo Serafim Corrêa surgiu de repente no depoimento de Roberto Ferreira  Dias, ex-diretor  de logística do Ministério da Saúde, nesta quarta-feira, 7,  à CPI da Pandemia.

Rapidamente o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM) tratou de avisar que não se trata do  Serafim de Manaus, ex-prefeito e hoje deputado estadual pelo PSB.

— O Serafim Corrêa de Manaus não sai nem de casa, é um homem íntegro que jamais se envolveria nisso - avisou Omar.

“Lado podre”

Ao ver mais nomes de militares nas suspeitas da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 sobre irregularidades nas negociações de compra de vacinas, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM),  afirmou que “membros do lado podre das Forças Armadas estão envolvidos com falcatrua dentro do governo”.

— Olha, eu vou dizer uma coisa: os bons das Forças Armadas devem estar muito envergonhados com algumas pessoas que hoje estão na mídia, porque fazia muito tempo, fazia muitos anos que o Brasil não via membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo.

De general a cabo

Não é  pra menos. Até aqui já foram envolvidos nas relações perigosas da compra de vacinas o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da saúde; o coronel Elcio Franco, ex-secretário-executivo da pasta; e coronel Guerra, além do  coronel reformado do Exército Marcelo Blanco da Costa,que trabalhou em cargo comissionado no Ministério de 7 de maio de 2020 a 19 de janeiro deste ano.

O depoente que entregou todo o esquema, Luiz Paulo Dominghetti  é cabo da Polícia Militar de Minas Gerais.

Ex-diretor pagou fiança de R$1.100 e deixou polícia legislativa 

De tenente a coronel

O servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, que falou ter sofrido “pressões anormais” para agilizar a importação da vacina indiana Covaxin, afirmou que as pressões vinham de seus superiores.

E citou dois militares: o tenente-coronel Alex Lial Marinho, ex-coordenador-geral de Aquisições de Insumos Estratégicos para Saúde; e o coronel da reserva Marcelo Bento Pires, ex-diretor de Programas.

Coronel misterioso

Também está envolvido no esquema o misterioso  “coronel Guerra” , militar com quem o representante da empresa americana Davati Medical Supply, Luiz Paulo Dominguetti, trocou mensagens sobre fornecimento de vacinas.

Quem é ele

Mas quem é o misterioso “coronel Guerra”?

Trata-se de Glaucio Octaviano Guerra, coronel da Aeronáutica reformado em 2016. Em 2 de novembro do ano passado, o coronel abriu uma empresa, a Guerra International Consultants, no estado de Maryland, Estados Unidos.

Isso não é bom

O próprio depoente desta quarta-feira (7/7), Roberto Dias, já foi sargento da Aeronáutica.

— Infelizmente, o que nós temos ouvido aqui nos relatos do depoente é que geralmente tem alguém das Forças Armadas. Isso não é bom para o Brasil. Não é bom –, disse Omar Aziz.

Evitando distorções

Minutos depois, Azuz retornou ai assunto e disse que reconhece o lado bom dos militares e o trabalho gigabtesco que desenvolvem em defesa do Brasil “ principalmente em nossas fronteiras ”.

À noite, em suas redes sociais o senador escreveu:
—- Estão tentando distorcer as minhas palavras. Nao vou permitir. Eu não ofendi os militares brasileiros. Disse que a parte boa do Exército está envergonhada da pequena banda podre que dncerginha as Forças Armadas -  disse o presudente da CPI da Pandemia.

Perseguição à ZFM

O vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM) disse que o ministro Paulo Guedes, da Economia, "continua aprontando das suas".

O Congresso aprovou a PEC emergencial, com ressalva aos  incentivos fiscais que o governo federal concede às empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM), mas o ministro falando em corte nesse incentivos.

Rei do equívoco

Marcelo disse que "equivocadamente", mais um vez, Guedes investe contra os interesses do Amazonas ao anunciar a redução dos subsídios do setor de  xarope e refrigerantes que já está instalado na Zona Franca de Manaus.

— Ora, quando  nós  aprovamos a PEC Emergencial, a ZFM foi ressalvada e não pode ser incluída nas metas de reduçao de subsídios –,reagiu o deputado.

Não pode e não vai

Ramos advertiu que Paulo Guedes está desinformado em relação ao que foi aprovado na Casa, e mais uma vez demonstrou a hostilidade  dele com o povo do  amazonas e com seus empregos.

— Então, senhor ministro, o senhor não pode e não vai reduzir os incentivos da Zona Franca de Manaus  porque nos lutaremos em defesa dos empregos dos amazonenses.

CPI da Asfixia

Em 24 horas após sua apresentação, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Asfixia , já soma cinco assinaturas. A propositura que tem como objeto inicial investigação sobre a crise de oxigênio no Amazonas em janeiro deste ano.

Quem assinou

Assinaram a CPI até o momento os deputados Delegado Péricles, Serafim Correa, Sinésio Campos, Dermilson Chagas e Wilker Barreto.

Reajuste já

O deputado Dermilson Chagas (Podemos) cobrou da  tribuna da Assembleia Legislativa , uma análise no Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) dos servidores da Aleam para que seja concedido o reajuste salarial dos funcionários.

Tem dinheiro

Dermilson  observou que,  como o repasse do Governo do Estado para a Aleam aumentou nos últimos anos e  a arrecadação tributária do Amazonas está em alta desde o ano de 2019, " é justo que os servidores tenham essa reposição salarial".

...dá pra fazer!

Dermilson defende que  muitos servidores estão aguardando pelo reajuste salarial porque querem se aposentar com um salário mais digno.

— Muitos ainda estão aqui com abono de permanência, querendo esse reajuste salarial para poder se aposentar, e o presidente poderá fazer um novo concurso para preencher essas novas vagas que abrirão com a aposentadoria dos funcionários mais antigos –, reforça o parlamentar.

Deputados se dividiram em duas CPIs 

Triste memória

A Associação dos Docentes da Universidade do Amazonas (ADUA)  lança o Memorial “Sementes da UFAM”,

Trata-se de uma homenagem aos membros da comunidade acadêmica da Universidade Federal do Amazonas que faleceram no primeiro ano da pandemia da covid-19.

Triste memória 2

“Sementes da Ufam” reúne depoimentos e fotografias dos docentes, discentes, técnico-administrativos e técnicas-administrativas em educação e outros profissionais da instituição, além de um tributo especial aos docentes que participaram da luta em defesa da educação pública.

ÚLTIMA HORA

Pesquisa aponta que Lula venceria Bolsonaro em todos os cenários

Lula tem a preferência de 43% a 45% da preferência dos entrevistados

Uma nova pesquisa de intenção de voto revela que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vence o presidente Jair Bolsonaro em todos os cenários para as eleições presidenciais de 2022. Os números apontam que Lula tem a preferência de 43% a 45% dos entrevistados contra 28% a 29% de Bolsonaro, conforme a Pesquisa Genial/Quaest, lançada nesta quarta-feira (7/7). Ciro Gomes, com 10% e 11% das intenções de voto nos mesmos cenários, fica em terceiro lugar das intenções de voto estimuladas.  Foram entrevistadas presencialmente 1,5 mil pessoas maiores de 16 anos nas 27 capitais brasileiras, totalizando 95 cidades pelo país. O estudo considerou cenários com vários candidatos cogitados como terceira via e mostram o petista liderando as intenções no momento e revela que eles ainda são pouco conhecidos pelo eleitorado.

Em uma pesquisa espontânea, Lula também lidera, com 21% da preferência, enquanto Bolsonaro tem 18%. Já o volume de indecisos é bem maior, de 57%.  Em um segundo turno entre Lula e Bolsonaro, o petista venceria com 53% contra 33% da preferência dos votos, de acordo com o levantamento. A estudo revela ainda que rejeição dos entrevistados a Bolsonaro é maior do que ao governo do chefe do Executivo. A desaprovação do governo foi de 57%, mas a reprovação do comportamento do presidente é de 67%.

ORGULHO

O  ator Gerson Brenner (foto) finalmente ganhou o carro adaptado que precisava e deu a primeira volta nele neste fim de semana. “A gente deu uma volta no quarteirão para ele sentir a emoção de andar no carro, porque fazia tempo”, disse Vica Brenner, filha do ator, em entrevista ao Só Notícia Boa. Ela preparou uma festa particular para a chegada do carro e gravou a emoção do pai ao andar no Doblô. O vídeo foi postado no Instagram. Gerson Brenner teve uma carreira meteórica na TV e se destacou como um dos filhos de dona Armênia na novela Rainha da Sucata, da TV Globo. Mas em agosto de 1998, a carreira de sucesso foi brutalmente interrompida após um tiro na cabeça, durante uma tentativa de assalto na Rodovia Ayrton Senna. Gerson ficou coma profundo, passou por cirurgias e ficou 23 dias na UTI.

VERGONHA

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a defender nesta quarta-feira (7/7) a implementação do voto impresso. Em entrevista à Rádio Guaíba, de Porto Alegre, o chefe do Executivo federal afirmou que o seu lado “pode não aceitar o resultado” das eleições do próximo ano.

— Eles vão arranjar problemas para o ano que vem. Se esse método continuar aí, sem inclusive a contagem pública, eles vão ter problema, porque algum lado pode não aceitar o resultado. Esse lado obviamente é o nosso lado, pode não aceitar esse resultado. Nós queremos transparência. Havendo problemas, vamos recontar –, declarou.

Na entrevista, o o mandatário do país voltou a falar que irá apresentar provas de que o atual sistema eleitoral é passível de fraude

Mário Adolfo

Mário Adolfo

Jornalista formado pela UA, com mais de 40 anos de experiência. Dois prêmios Esso e criador do personagem Curumim, o Último herói da Amazônia.