BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Dito & Feito - Candidatos da direita se “rasgam” para obter o apoio de Bolsonaro na eleição pra prefeito


Na corrida à prefeitura de Manaus, ao menos três candidatos da direita reivindicam o apoio do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) que, bem antes do processo eleitoral, avisou que não apoiaria nenhum candidato a prefeito no processo eleitoral de 2020.

Alberto Neto (Republicanos ), Coronel Menezes (Patriota) e Romero Reis (Novo), todos militares,  mesmo sem o aval do presidente, batem no peito se autoproclamando candidatos de  direita,  gravam lives e vídeos para o programa eleitoral do TRE/AM dizendo que contam com o apoio do capitão.

— Sou o único que tenho o DNA do Bolsonaro, meu compadre! – exagera Menezes.

O coronel exibe um vídeo Em um vídeo antigo onde Bolsonaro diz “eu tenho candidato em Manaus”. Mas isso é ainda no tempo em que Menezes foi superintendente da a Suframa.

No dia 02 de setembro, Alberto Neto publicou uma foto de um  café da manhã com Bolsonaro, onde aperta tanto a mão do presidente que Bolsonaro chega a fazer careta. No mesmo dia, o deputado amazonense foi convidado também para ser vice-líder do governo na Câmara dos Deputados e já saiu do planalto mandando encomendar o paletó pra posse de prefeito.

Mui amigo

Romero Reis (Novo) que cursou a academia das Agulhas Negras, onde fez amizade com Bolsonaro, chegou a achar que isso seria suficiente para se eleger prefeito de Manaus. Mas viu que o buraco é mais embaixo. É muito pouco capitão pra muito candidato de direita.

Sem muletas

Por isso hoje considera que babar o presidente “não vai resolver os graves problemas de Manaus”.

Engenheiro e paraquedista, Romero acredita até que é melhor caminhar com as própria pernas do que “buscar uma muleta em Bolsonaro”.

Paixão não correspondida

Na lanterna da corrida eleitoral, o vereador Chico Preto (DC) que também se  define como de direita e conservador, passou quatro anos batendo no prefeito Arthur Virgílio (PSDB) e idolatrando Jair Bolsonaro, também sonhando que poderia abocanhar o apoio do presidente.

Camisa preta

Chico foi mais além. Chegou a confeccionar e comercializar uma camisa preto com sua foto em alto contraste, uma “chupadinha” da campanha de Bolsonaro de 2018.

Para quem não lembra, os camisas-preta foram organizados por Benito Mussolini como uma violenta ferramenta militar do seu movimento fascista. Será que Chico sabe disso?

Sem ele não vou

Quem também garimpou o apoio de Jair Bolsonaro em uma eventual candidatura a prefeito de Manaus foi o presidente da Assembleia Legislativa, Josué Neto (PRTB).

Só na próxima

Josué investiu todas as suas fichas no partido do presidente, Aliança para o Brasil, mas ficou frustrado quando o capitão disse que o Aliança não participaria da eleição deste ano, e que iria se preparar para 2022.

Com isso, o deputado “tirou seu cavalinho da chuva” e emprestou seu apoio ao candidato David Almeida (Avante).

Agradecido

O senador Omar Aziz (PSD/AM) usou a tribuna do Senado Federal, na quarta-feira, dia 21, para agradecer a “sensibilidade” do presidente Jair Bolsonaro acerca do decreto que tornou permanente a alíquota de 8% do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para concentrados de bebidas não alcoólicas produzidas na Zona Franca de Manaus (ZFM).

Decreto tinha erro

O senador disse que o decreto (nº 10.523, de 19 de outubro) original continha erro, o que o levou, junto com membros da bancada do Amazonas, a procurar a equipe do Ministério da Economia e da Receita Federal, assim como o presidente da República para fazer a correção.

— O presidente Jair Bolsonaro atendeu o nosso pleito. Em meu nome e da bancada do Estado do Amazonas, dos três senadores e dos deputados federais e, principalmente, em nome do povo amazonense, queremos agradecer a sensibilidade que o presidente teve em relação à nossa região –, disse o senador.

Bolsonaro queira ou não...

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou, na tarde desta sexta-feira (23), a importação de 6 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo laboratório Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

País vai importar 6 milhões de doses da vacina 

...CoronaVac vem aí!

De acordo com a Agência, a autorização é apenas para a compra e não para a utilização. Essa segunda etapa precisa de uma nova aprovação da Anvisa após o fim da fase de testes clínicos. A previsão de chegada do material é o início de novembro deste ano.

100% chinesa

A expectativa é que, até o fim de dezembro, o Butantan consiga produzir as outras 40 milhões de doses. Isto porque essas 6 milhões primeiras serão 100% produzidas na China.

Paraíso verde é fake

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cometeu nova fake news sobre a Amazônia, nesta quinta-feira, 22, durante cerimônia de formatura de novos diplomatas do Instituto Rio Branco, no Palácio do Itamaraty, em Brasília.

Bolsonaro afirmou que convidará diplomatas estrangeiros para visitar a floresta amazônica e segundo ele, seus convidados não verão “nada queimando ou sequer um hectare de selva devastada”.

Vai passar vergonha

O presidente disse que está ultimando uma viagem Manaus-Boa Vista, onde convidará diplomatas de outros países.

— Para mostrar naquela curta viagem de uma hora e meia, que não verão em nossa floresta amazônica nada queimando ou sequer um hectare de selva devastada –, afirmou Bolsonaro.

Inferno em Rorainópolis

No entanto, dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revelam a verdade que Bolsonaro omite.

Um voo entre Manaus (AM) e Boa Vista (RR) – no qual, segundo o presidente Jair Bolsonaro, não é possível avistar "nada queimando" ou "selva devastada" – cruzaria o céu da cidade com mais focos de queimadas neste ano em Roraima, Rorainópolis.

Até Figueiredo

Além disso, o voo passaria por municípios que acumularam 20,5 mil hectares de desmatamento de agosto de 2018 a julho de 2019: Presidente Figueiredo (AM), Caracaraí (RR) e Rorainópolis.

Maria Fofoca

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos , virou o novo alvo do núcleo ideológico do Palácio do Planalto e dos filhos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Tudo porque o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles , dizer nesta sexta-feira (23) que Ramos tem uma postura de "maria fofoca".

Esticando a corda

O estopim para a crise foi uma nota no jornal O Globo que afirmava que o Salles estava esticando a corda com a ala militar do governo federal por conta da falta de recursos no Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).

Óleo na frigideira

Na ocasião, ele disse que, sem dinheiro, brigadistas interromperiam atividades de combate a incêndios e queimadas.

A decisão de Salles de tornar público o embate, segundo assessores palacianos, tem como objetivo acelerar o processo de fritura de Ramos e convencer Bolsonaro a demiti-lo na minirreforma ministerial prevista para acontecer em fevereiro.

ÚLTIMA HORA

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, afirmou nesta sexta-feira (23), durante participação na Live JR, que a vacinação em massa contra a covid-19 vai exigir uma "operação logística de guerra" das Forças Armadas. "É lógico que as Forças Armadas vão participar. Nós não podemos nos furtar a isso. Ainda não existe um planejamento efetivo, mas para a gente é muito fácil, porque já temos comandos conjuntos montados e uma tradição em operações", disse.

Ele avaliou ainda que participar de qualquer campanha de vacinação conta a doença respiratória "vai ser motivo de satisfação das Forças Armadas". Azevedo relatou que há 10 comandos conjuntos atuando com 30 mil homens em várias ações de combate à doença. "Já demos o equivalente a mais de 21 voltas no planeta no apoio à população para combater a covid-19".

ORGULHO

Meninos de uma escola de Quebec, Canadá, deram um grande exemplo de solidariedade e empatia, com as colegas de classe, contra o machismo e os códigos de vestimenta pra meninos e meninas. A ideia era mostrar que as roupas não tem gênero e que qualquer pessoa, seja qual for o gênero ou orientação, pode se vestir como quiser e com a roupa que preferir. Os estudantes também alertaram sobre o assédio que as meninas sofrem e contra o preconceito. Por que quando um cara usa saia, as pessoas dizem ‘Oh, ele é extremamente gay?’ Roupa não tem gênero, mudem sua mentalidade (…) qualquer um pode se vestir como quiser”, escreveu o aluno Tom Ducret-Hillman num post em sua conta no Instagram.

VERGONHA

O senador Francisco Rodrigues (DEM-RR), o Chico Cueca (ganhou esse apelido entre portas na Casa após o flagrante da PF com dinheiro nas vestes íntimas) pediu afastamento por 121 dias. Horas antes, ele havia protocolado solicitação para se afastar por 90 dias.

Mas foi alertado pelos assessores técnicos de que o filho suplente, Pedro Arthur, só assume mandato com atuação no Senado, por regra, com 120 dias de afastamento do titular. E ambos articulam oficializar isso caso a situação policial-judicial piore para o pai: o substituto suplente tornar-se senador de fato. Caso se concretize, o herdeiro vai ganhar plano de saúde vitalício, e direito a aposentadoria como senador. Haja cueca.

Mário Adolfo

Mário Adolfo

Jornalista formado pela UA, com mais de 40 anos de experiência. Dois prêmios Esso e criador do personagem Curumim, o Último herói da Amazônia.