Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Dito & Feito - Cala a boca já morreu!


Na manhã desta terça-feira (5), na saída do Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mandou jornalistas calarem a boca e disse – bastante exaltado – que não tem interesse em troca na PF-RJ. Antes de se pronunciar, Bolsonaro conversou com apoiadores e afirmou que, se “dependesse de grande parte dessa mídia, já estava enterrado”. Em seguida, o presidente mostrou um print de uma notícia da Folha de São Paulo que trata sobre a troca do comando da PF-RJ:

— Que imprensa canalha! não tem nenhum parente meu investigado pela PF, nem eu e nem meus filhos!

— O senhor pediu a troca, presidente? –, perguntou uma repórter.

— Isso é uma patifaria! –, gritou Bolsonaro.

— O senhor pediu alguma troca no Rio? –, perguntou novamente a repórter.

— Cala a boca! Não te perguntei nada! –, gritou mais uma vez.

Os apoiadores vibraram.

—O senhor pediu a troca, presidente? –, insistiu outro repórter.

— Cala a boca! Cala a boca! –, irritou-se ainda mais o capitão.

Já vimos esse filme

O novo ataque do presidente Jair Bolsonaro a jornalistas nesta terça-feira (5) trouxe à tona um episódio do período da ditadura militar. Em dezembro de 1983, já na “lenta e gradual” reabertura, o general Newton Cruz mandou um jornalista se calar.

Filhote da ditadura

O alvo de Cruz foi Honório Dantas, jornalista da Rádio Planalto. Dantas questionava o general por medidas de emergência decretadas pelo governo no Distrito Federal.

— Deixa eu falar! –, gritou Cruz.

— Pode falar, general! –, respondeu o repórter.

— Desliga essa droga então! –, finalizou o militar.

Chave de braço

Cruz se retirou e Dantas então disse que tinha “orgulho do empurrão”. Foi quando o general voltou, chamou o profissional de imprensa de “moleque” e deu uma chave de braço no repórter até que ele pedisse desculpas.

Nem todos se calam

A deputada federal Shéridan Estérfany Oliveira (PSDB-RR) foi uma das poucas parlamentares da bancada amazônica a se manifestar contra os gritos  de “cala boca!”, que Bolsonaro vociferou contra os jornalistas.

— Não, presidente. Ninguém vai calar a boca por ordem sua, pois a democracia não aceita mordaça. A imprensa seguirá cumprindo sua missão, mesmo sendo alvo de ataques inclusive físicos.

Deputada repudiou agressões contra jornalistas

Imprensa livre

Shéridan lembrou que é preciso dar uma resposta aprovando o PL de sua autoria que define garantias à livre imprensa.  A deputada apresentou um projeto de lei que tipifica o impedimento da liberdade de imprensa como crime de abuso de autoridade. O objetivo é penalizar criminalmente ações que censurem a atividade jornalística ou que insultem o profissional de imprensa.

Apelo aos ricos

O prefeito Arthur Virgílio (PSDB) oficializou nesta terça-feira, 5/5, o pedido de ajuda aos países mais ricos. Ele lançou a campanha SOS Manaus, fazendo o apelo para que o mundo ajude os guardiões da floresta tropical.

— Essa mensagem é, ao mesmo tempo, humilde e altiva – argumentou o prefeito.

Barbárie se aproxima

O prefeito disse que Manaus está fazendo o melhor, mas ainda é pouco em frente à barbárie que se aproxima.

— Precisamos de toda ajuda possível –, diz o prefeito, no vídeo gravado em três idiomas e enviado a 21 embaixadas.

Virgílio lançou a campanha 'SOS Manaus'

Alô, alô  planeta!

Virgílio explica que está chamando o  planeta para olhar para Manaus, no centro da Amazônia, e “cuidar das pessoas dessa terra, que precisam manter a esperança e sustentar suas vidas”.

— Manaus precisa urgente de ajuda. E de um jeito nobre, por ser a cidade que diariamente ajuda o mundo com sua magnífica floresta e notáveis rios —, justifica o tucano.

Que feio, hein La Campelo?

A deputada Alessandra Campelo (MDB) parece que aderiu à proposta do presidente Bolsonaro de colocar fim ao isolamento. Em requerimento apresentado nesta terça-feira, 5 de maio, ela propôs a volta das sessões plenárias presenciais na Assembleia Legislativa do Amazonas.

Sessão virtual

Por causa da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), as sessões estão acontecendo no formato on line ou virtual desde o dia 24 de março, o que é correto.

Paradoxal

O mais paradoxal ainda é o raciocínio de La Campelo. Embora tenha proposto a volta das sessões presenciais, a deputada sugeriu que todas as medidas de distanciamento social sejam obedecidas.

— Cada deputado ou deputada teria o máximo de cinco assessores no prédio – sugere.

Aí já é aglomeração

Ops! A Assembleia tem 24 deputados. 24X5= 120 pessoas. Se colocar aí os profissionais de imprensa, motoristas e  contínuos isso aí vai beirar 500 pessoas. É ou não uma aglomeração, não recomendada pela OMS?

Perguntar não ofende

Vem cá, no momento em que todo mundo implora para que a população de Manaus fique em casa, a vice-presidente da Assembleia Legislativa vem na contramão e pede o fim do isolamento?

Cadê a babita?

O Deputado Federal Sidney Leite (PSD) criticou a atuação do Ministério da Saúde que até agora só repassou aos estados apenas 12% dos R$ 21,3 bilhões reservados para enfrentamento da pandemia de covid-19, conforme uma matéria do portal poder360.

— Em meio a pior crise sanitária e econômica da história do nosso estado e do nosso país a incapacidade de gestão do Ministério da Saúde é impressionante.

Dinheiro parado

Leite disse que o dinheiro está parado em Brasília enquanto o povo está nas filas e os médicos sem equipamentos.

— O Amazonas vive provavelmente a pior crise da sua história, onde o sistema de saúde está em colapso e as pessoas estão morrendo sem sequer conseguir ser atendidas –, protestou o parlamentar.

Triste partida

O vereador Elissandro Bessa (Solidariedade) cobrou que a  Prefeitura precisa informar a população sobre as medidas que estão sendo adotadas nesse período nos cemitérios. Para ele,  é preciso ficar claro que nem todas as mortes são causadas pelo covid-19.

Direito ao adeus

É preciso informar a população, para que não haja conflito e nem imprevistos dessa natureza, alertou o vereador.

— Sabemos que muitas pessoas alugam ônibus para levar a família e amigos ao enterro e agora estão sendo são surpreendidas com a notícia, dada na porta do cemitério, de que não podem entrar –, questionou.

ORGULHO

Um empresário de Loanda, no interior do Paraná, se reinventou na crise e desenvolveu um totem com pedal para liberar álcool em gel, sem que a pessoa precise tocar no frasco com a mão. Basta pisar no pedal do totem, que a torneirinha no alto solta o líquido pra higienizar as mãos. O ‘dispenser’ de aço foi desenvolvido para ser instalado em locais públicos, onde muita gente põe a mão no frasco de álcool em gel, em tempos de coronavírus. Ele é acionado com o pé e evita o contato com as mãos que, contaminadas e levadas ao rosto, nariz, boca e olhos, podem levar vírus para o organismo.

VERGONHA

Já era tempo de acabar com essa atrocidade que vergonha. A lei aprovada no mês passado, que proíbe e criminaliza a mutilação genital feminina – MGF – no Sudão, só depende agora da aprovação de integrantes do conselho soberano do país para finalmente entregar em vigor. Esse conselho foi criado após a expulsão do ex-ditador Omar al-Bashir. De acordo com a lei aprovada, qualquer pessoa encontrada realizando MGF pegará até três anos de prisão, de acordo com um documento visto pelo jornal inglês Guardian.

Redação BMA

Redação BMA

As principais notícias do Amazonas.