BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Dito & Feito - Balatal – O pífio desempenho nas urnas de candidatos apoiados


Os candidatos indicados pelo presidente Jair Bolsonaro nas eleições 2020 não parecem ter animado os eleitores. Entre treze nomes mencionados para cargos de Prefeitura nas redes sociais do presidente nas últimas semanas, apenas dois foram eleitos e outros dois estão no 2º turno. Os outros nove estão fora da jogada.

Comentaristas políticos destacaram o pífio desempenho nas urnas de candidatos apoiados pelo chefe do Executivo, como em São Paulo, com Celso Russomano fora do segundo turno. Nomes bolsonaristas também saíram frustrados de disputas em outras capitais como Recife, Manaus e Belo Horizonte. Só em Manaus eram quatro: Coronel Alfredo Menezes (Patriota)  , Capitão Alberto Neto  (Republicano), Romero Reis (Novo) e Chico Preto (democratas ) que não passaram dos 12%dos votos.

Vexame

Senão vejamos:

Coronel Menezes teve 110.805 votos (11,32%);  Capitão Alberto Neto  obteve 76.576 votos ( 7,82%); Romero Reis 29.102 votos ( 2,97%) e, na lanterna dos “amigos do Bolsonaro, Chico Preto, que teve somente  16.141 votos (1,65%).

Extra-direita implodiu

O que os bolsonaristas não contavam é que o  cenário é outro. Depois de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ter vencido com larga margem em 2018, eles fracassaram nos maiores colégios eleitorais.

Grande perdedor

O historiador e professor da Universidade de Brasília, Antônio Barbosa, disse que o grande perdedor nessas eleições foi o presidente Bolsonaro.

— O país mudou em dois anos. Aquela vontade majoritária do eleitorado brasileiro, em 2018, de votar supostamente contra a velha política simplesmente desapareceu – afirmou

Engodo

Em sua análise, o professor da UNB conclui que a onda bolsonarista perdeu a força.

— Parece que os eleitores brasileiros perceberam o engodo a que foram levados – diz Barbosa.

De volta ao normal

Sobre a implosão da extrema-direita bolsonarista, Teresa Cruvinel escreveu: “... E na normalidade, não há lugar para aventuras autoritárias e extremistas, como o bolsonarismo. Não tivemos Sergio Moro vazando delações na semana eleitoral nem a Lava Jato demonizando o PT ou qualquer partido;  não tivemos ninguém sendo adorado como mito ou demonizado como fonte do mal...”

De volta ao normal 2

Escreveu ainda a jornalista que “não houve lugar para a antipolítica nem para a polarização raivosa; o  antipetismo não morreu mas os petistas deixaram de ser acossados nas ruas ou chamados de petralhas; as fake news foram contidas e não houve ninguém arrancando com os dentes  o dedo de outro, como em 2018”.

Caiu a ficha

Segundo Teresa Cruvinel, o ódio ao outro, a descrença na política e a crença de que Bolsonaro era o “mito salvador”, o “anti-tudo-que-está-aí”,  estão custando muito ao Brasil.

“Custando inclusive milhares de vidas, pelo descaso e o negacionismo de Bolsonaro na pandemia.  O cair da ficha é que explica o fracasso dos candidatos apoiados pelo presidente, o grande derrotado do pleito” .

MDB bombou

Quando as urnas começaram a falar, o cacique do MDB, Eduardo Braga, abriu um sorriso que foi de ponta a ponta da orelha. Seu partido elegeu nada menos que treze prefeitos, onze vice-prefeitos e 85 vereadores nos 61 municípios do Amazonas.

Olho gordo  em 2022

Sendo assim, Braga já está se achando credenciado para iniciar a campanha para 2022, quando ele pretende voltar ao governo. É a volta por cima depois do trauma de 2018, quando ela quase perde a eleição para Luiz Castro (Rede), que “deu na trave”.

Vão festejar

O  Partido Social Cristão (PSC) também se deu bem na eleição municipal. Conseguiu eleger quatro vereadores de Manaus. Os novos vereadores do partido são Daniel Vasconcelos como o mais votado do partido com 5.031 votos; Rodrigo Guedes com 4.885 votos, Caio André com 4.666 votos e Allan com 4.401 votos.

Embarque imediato

Quem também deve embarcar no balatal são alguns vereadores “famosos” que já estavam no poder há  tanto tempo que os eleitores desistiram de insisyir nos mesmos nomes. São eles:  Reizo Castelo Branco, Roberto Sabino, Elias Emanuel e Socorro Sampaio que não foram eleitos.

“Fidel” da Câmara

A vereadora reeleita, Glória Carrate, que está indo para seu 8º mandato – 32 anos, portanto,   na Câmara Municiipal –, quase não vai. Deveria aproveitar mais esta chance e fazer o balanço do que fez pelo povo nesses anos todos.

Que tal a ideia, vereadora?  

Político hábil

O Amazonas perdeu o médico e político Luiz Fenando Nicolau. Era um político hábil que sabia mexer as pedras do tabuleiro no momento certo e recuar, se preciso fosse.

Venceu três eleições para deputado federal e exerceu dois mandatos de deputado estadual, além de ter assumido a Secretaria de Saúde do Amazonas (Sesau), no primeiro governo de Amazonino Mendes.

Ousadia empresarial

Como empresário sua grande marca foi a ousadia. Saiu de um tímido “Hospital dos Acidentados” para construir o Grupo Samel, hoje a maior rede hospitalar do Amazonas, dirigida pelo filho Luiz Alberto Nicolau.

Tempos difíceis

A passagem pela Sesau foram momentos tumultuados para Luiz Fernando, pois teve que enfrentar uma série de greves contra o governo Amazonino que, na época, batia de frente com a categoria de médicos.

Primeiros passos

O que as novas gerações não sabem, é que Luiz Fernando, o fundador do Grupo Samel – hoje a maior rede hospitalar do Amazonas –, começou sua carreira política como âncora do programa de Nonato Oliveira, “Repórter da Cidade”, apresentado diariamente na Tv A Crítica.

Amigo de fé

Tinha como prefixo a música “Amigo”, de Roberto Carlos e liderava a audiência no horário do almoço. Além de alavancar a popularidade de Nonato Oliveira – que viria a ser um dos deputados estaduais mais votados e alavancaria sua candidatura ao governo –, também tornou conhecido o médico Luiz Fernando, que se elegeu deputado federal na primeira eleição que disputou.

Na torcida

Antes do problema com a Vovid-19, Luiz Fernando estava feliz com o crescimento eleitoral do filho, Ricardo, que disputou a eleição, domingo, 15/11, à prefeitura de Manaus.

Lambendo a cria

Na convenção do PSD, bastante emocionado, Ficardo Nicolau exibiu um vídeo do pai que galou de seu contentamento com a carreira do filho, que lançou na política.

— Ricardo sabe se relacionar com os mais humildes e necessitados. Esse traço dele parece muito comigo – ,disse o médico.

Verde oliva

As Forças Armadas atuaram  com cerca de 28 mil homens durante o primeiro turno das eleições municipais deste domingo (15). Coube aos  militares o transporte de urnas eletrônicas e agentes eleitorais em 104 localidades.

Aldeias indígenas

Esse apoio foi necessário nos locais de difícil acesso da Justiça Eleitoral. É o caso de tribos indígenas e populações ribeirinhas, por exemplo.

No Amazonas

Esse apoio atingiu oito estados: 35 localidade do Acre; 26 no Amazonas; cinco no Amapá; uma na Bahia; quatro no Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul, duas no Rio de Janeiro e 27 localidades em Roraima.

Os caras de pau

Leandro Hassun comentou pela primeira vez sobre as acusações de assédio sexual que foram recebidas pelo humorista Marcius Melhem. Eles trabalharam juntos por vários anos em série (Os caras de pau), programa e filmes.

Ao lado da vítima

Durante entrevista à Veja, ele disse:

— Tem oito anos que não trabalho nem falo com o Marcius. Enquanto estivemos juntos, nunca presenciei nenhum episódio de assédio. O caso dele está nas mãos da Justiça. Sempre estarei do lado da vítima, nunca do culpado –, pontuou.

Dani Calabresa

As denúncias contra Marcius surgiram ano passado quando Dani Calabresa o denunciou para o setor de compliance da Globo.

A partir disso, mais de 30 pessoas, vítimas e testemunhas, pressionam para que a situação seja resolvida.

ÚLTIMA HORA

Quem disse que Amazonino Mendes (Podemos) é o mais velho candidato do Brasil nas eleições 2020?

O amazonense é mais “novo” que o empresário José Braz que, aos 95 anos, governará a cidade de Muriaé, na Zona da Mata, pela terceira vez. Ao derrotar o adversário Greco por 42,80% (23.793 votos) a 41,11%, ele se tornou o prefeito eleito mais velho do Brasil. O candidato do PP é casado, tem ensino fundamental completo e declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um patrimônio de R$ 33.331.471,23.

Ele foi um dos 71 candidatos a prefeito acima de 80 anos no pleito de 15 de novembro.

— A idade não me pesa, graças a Deus! Tenho muita saúde, muita determinação. Bebo muito pouco, nunca fumei, como bem pouco e só como coisas boas para saúde. Meu pai e minha mãe viveram muito, minha mãe viveu 105 anos –, avisou o prefeito.

ORGULHO

Lewis Hamilton não se conteve ao vencer o GP da Turquia de Fórmula 1 e garantir o heptacampeonato. (vídeo abaixo)

Assim, o piloto inglês se igualou a Michael Schumacher que tem sete títulos e era até agora o maior campeão da modalidade.

Hamilton começou a chorar ainda dentro do carro da Mercedes, de onde mandou pelo rádio uma mensagem sobre sonhos para as crianças:

—  É muito importante que as crianças vejam isso… Não dê ouvidos a ninguém que lhe diga que você não pode alcançar algo. Sonhe o impossível. Fale com a existência. Você tem que trabalhar por isso, perseguir e nunca desistir!

VERGONHA

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente da República, foi reeleito para seu cargo na Câmara Municipal do Rio de Janeiro neste domingo (15/11). Ele recebeu 71 mil votos — uma queda de mais de 30% em relação aos 106 mil votos que obtivera. Carlos Bolsonaro também perdeu o posto de vereador mais votado no Rio de Janeiro, que havia conquistado em 2016, para Tarcisio Motta (Psol), eleito com mais de 86 mil votos. Mas o filho do presidente foi uma exceção entre os candidatos que estiveram nas urnas com o famoso sobrenome de sua família. Um levantamento com candidatos que concorreram com o nome "Bolsonaro" mostra que apenas Carlos teve sucesso. No total 66 "Bolsonaros" candidatos a vereador e dois a prefeito (Jaboticabal e Várzea Paulista, em SP) foram derrotados.

Mário Adolfo

Mário Adolfo

Jornalista formado pela UA, com mais de 40 anos de experiência. Dois prêmios Esso e criador do personagem Curumim, o Último herói da Amazônia.