BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Dito & Feito – Aziz em defesa da segurança


Transferências voluntárias de recursos para a segurança pública não poderão ser suspensas por inadimplência de estados e municípios. É o que prevê o projeto (PLS 247/2016) de autoria do  senador Omar Aziz (PSD – AM) aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) e que seguiu, em regime de urgência, para o Plenário do Senado. Para Aziz, a atual regra prejudica, em especial, gestores públicos que acabaram de tomar posse e encontraram débitos deixados por administrações anteriores.

Quem sofre

Omar Aziz (PSD-AM) alega que estados e municípios sofrem com a suspensão de transferências voluntárias devido à inadimplência com alguma obrigação imposta pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

— Sendo que 96,4% dos municípios estão nessa situação – diz Aziz.

Insatisfação popular

Além disso, Omar argumentou que a violência tem crescido muito. Assim como a insatisfação popular com a atuação do poder público na segurança.

Maioria

Por ser complementar, o  projeto de Omar precisará de maioria absoluta para ser aprovado no Plenário. Isto é, 41 senadores

“Irresponsáveis e covardes!”

A nota com o pedido de desculpas de Joesley Batista e Ricardo Saud caiu como uma bomba na Câmara e no Senado. O deputado Pauderney Avelino, ex-líder do DEM na Câmara e um dos principais apoiadores de Michel Temer disparou:

— Além de irresponsáveis, são covardes. Estão perdidos. Só lamento que o Brasil tenha ficado a reboque de tipos como esses!

Pau neles!

Pauderney está seguindo à risca a orientação de deu partido. Afinal, daqui para a frente, essa é tônica da base governista: Bater forte nos deslizes de Joesley para que a denúncia contra Temer fique desqualificada.

Pensando em 2018

Falando em Pauderney, ele confirmou que a aliança entre o DEM e o PSDB será mantida em 2018. O parlamentar amazonense participou do jantar oferecido ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), na residência oficial do presidente em exercício, e  presidente  da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Alckmin de novo

Ao sair do jantar antes do final, Avelino afirmou que o DEM é “muito simpático ao governador Geraldo Alckmin”. De acordo com ele, o tucano é um político acostumado a fazer “o dever de casa”.

— Já está na luta há muito tempo. Acho que ele conseguirá se candidatar à presidência –, disse Pauderney

Desejo explícito

Quem também participou do jantar foi o presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE). Na avaliação do líder tucano, Alckmin deixou explícita sua intenção de concorrer ao comando do Palácio do Planalto em 2018.

“Eu quero é sossego!”

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Carmen Lúcia, quer sossego no feriado prolongado. Ao fim da sessão desta quarta-feira, a única do plenário do STF na semana, em razão do feriado de Sete de Setembro, Carmen Lúcia desejou um fim de semana sem novidades.

— Desejo a todos um ótimo fim de semana e, se Deus quiser, sem novidades maiores no país –, disse a presidente do STF, encerrando a sessão.

Racha no STF

Seis ministros, dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), são contrários à anulação de todas as provas e indícios apresentados pelos executivos da JBS em delação premiada.

Cadeia neles

Cresce, também dentro do Supremo Tribunal Federal, a pressão indireta para que o procurador-geral peça a prisão dos dois executivos da JBS. A maioria dos ministros entende que as provas obtidas a partir da delação dos executivos são válidas. Mas, ainda assim, avaliam que, pela desenvoltura nas tratativas do pré-acordo, os dois precisam sofrer algum tipo de punição.

Sem imunidade

Na próxima semana, a Procuradoria-Geral da República (PGR) deverá suspender a imunidade penal de Joesley Batista e do executivo Ricardo Saud.

X

A imunidade penal é o maior benefício previsto no acordo de delação dos executivos da JBS. Sem proteção, os dois poderão ser processados e punidos inclusive com prisão.

Mário Adolfo Filho

Mário Adolfo Filho

Jornalista, formado pela Universidade Federal do Amazonas. Com passagem por grandes jornais de Manaus, Prefeitura de Manaus, Câmara Municipal de Manaus e Câmara dos Deputados.