BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Dito & Feito: AQUECIMENTO GLOBAL – Amazonas dá sua parcela de “colaboração”


Estado tem dois representantes entre os municípios brasileiros que mais emitem gases de efeito estufa. É o que revela o  Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG), iniciativa do Observatório do Clima. O estudo indicou, nesta segunda-feira (13/6), que oito dos 5.570 municípios brasileiros que mais emitem gases de efeito estufa estão localizados na região amazônica, sendo quatro no Pará, dois no Amazonas, um em Mato Grosso e um em Rondônia. Lábrea e Apuí são os nossos representantes no ranking do aquecimento global.

Os líderes são os municípios de Altamira e São Félix do Xingu, do Pará, com 35,2 e 28,8 milhões de toneladas de CO2 (MtCO2), respectivamente. Na sequência estão Porto Velho (RO), com 23,3 mtCO2, e Lábrea (AM), com 23,2 mtCO2. Pacajá (PA), Novo Progresso (PA), Colniza (MT) e Apuí (AM) também foram listados no ranking. Fora do Norte, figuram na lista São Paulo e Rio de Janeiro, com registros de 16,5 e 13,7 mtCO2, respectivamente.

Toneladas de dióxido

Ao todo, foram 198 milhões de toneladas brutas de dióxido de carbono somente no ano de 2019.

Em alguns municípios da lista, a emissão é maior do que a média global por habitante, calculada em 7 toneladas de CO2 ao ano por habitante.

Até tu, Gandra?

O vídeo em que Jair Bolsonaro (PL) aparece afirmando que pode descumprir decisões do Supremo Tribunal Federal passou a circular em cortes superiores de Brasília e já causa uma tensão adicional: nele, um conhecido integrante do Poder Judiciário, o ministro Ives Gandra Martins Filho, do Tribunal Superior do Trabalho, aparece aplaudindo o presidente da República justamente no momento em que ele prega a desobediência às ordens judiciais.

Peitando o STF

Bolsonaro fez as declarações na semana passada, num evento no Palácio do Planalto.

Segundo ele, caso o STF aprove o marco temporal para a demarcação de terras indígenas, "acabou a economia brasileira, nossa garantia alimentar.

— Acabou o Brasil. O que eu faço? Tem duas opções. Entrego a chave para o ministro do Supremo. Ou digo: não vou cumprir!.

Desobediência é crime!

Descumprir decisão judicial é crime.

Por isso os aplausos de Ives Gandra Martins Filho à fala foram recebidos com perplexidade por integrantes de outros tribunais.

“Teses delirante”

O que está acontecendo de fato? Com as eleições se aproximam e Bolsonaro não consegue ultrapassar os 30% das intenções de votos e com uma rejeição que lhe impede de crescer numericamente, ele voltou a utilizar “teses delirantes de um comunismo em curso no Brasil”, avaliou a Folha.

Fachin Marxista?

Exemplo disso, é que ele acusou o ministro do STF Edson Fachin de ser marxista-leninista, corrente de pensamento que tem como base central a filosofia de Karl Marx e Vladimir Lênin, o líder da Revolução Soviética.

Essa, como outras do Jair,  é de matar de rir.

Violência na fronteira

Durante a sessão do Plenário da Câmara dos Deputados, parlamentares de estados da Amazônia se manifestaram sobre o desaparecimento do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira.

Os parlamentares cobraram ações do governo federal para combater a violência na região e também fizeram críticas sobre a resposta do governo ao caso.

*

Deputados da oposição chegaram a culpar a gestão atual por ter retirado recursos da Funai e de outros órgãos de fiscalização.

Paraíso do narcotráfico

O deputado Marcelo Ramos (PSD-AM) alertou para a ação de narcotraficantes e do crime organizado na região de Atalaia do Norte e da tríplice fronteira com Colômbia e Peru.

Ele acusou o governo federal de estimular ações violentas de grileiros e garimpeiros.

*

— Que este episódio sirva para que o Brasil enxergue os indígenas, ribeirinhos e populações tradicionais completamente desamparadas da presença do Estado."

Rota do pó

O deputado Sidney Leite (PSD-AM) também cobrou do Ministério da Justiça maior controle sobre as fronteiras da Amazônia.

—A rota Solimões-Rio Negro é uma das maiores do narcotráfico brasileiro, e 75% da violência no Brasil é oriunda do narcotráfico.

Amazônia isolada

Leite cobrou que está  na hora de o Brasil olhar efetivamente para a Amazônia, não só com o discurso fácil de que precisamos proteger a floresta.

— Mas também com tecnologia, com infraestrutura, comunicação e a possibilidade de melhoria de vida da população –, cutucou o deputado.

Morde e assopra

Apesar de elogiar a presença das Forças Armadas na região, o deputado Silas Câmara (Republicanos-AM) pediu uma atuação mais efetiva da Polícia Federal.

— Conheço o sofrimento e a logística da região, sei que tudo é muito complexo.

Culpou as vítimas

Como todo Bolsonarista fiel, Silas culpou o próprio jornalista Dom Phillips e o indigenista Bruno pelo ocorrido.

— Parece um drama dizer isto, mas a forma como os dois se locomoveram naquela região foi, no mínimo, imprudente. Porém, deve-se adotar, de fato, uma estratégia na região para a segurança das pessoas que lá se locomovem –, cobrou.

Sangue por meia entrada

Projeto de Lei da deputada estadual Mayara Pinheiro (Republicanos) garante o direito à meia-entrada para doadores de sangue, em eventos culturais e esportivos, no Amazonas e jovens doares de sangue.

Estoque em baixa

De acordo com a parlamentar, no Brasil, apenas 1,7% da população é doadora de sangue e a OMS recomenda que esse número seja de 2% a 5%.

*

— Então, estamos abaixo do que é recomendado. Sou médica, fui gestora em Coari, vi o quanto há demanda e sei da dificuldade de se conseguir doadores de sangue. A adesão dos jovens à campanha de doação vai ajudar a aumentar o estoque do Hemoam–, acredita Mayara.

ÚLTIMA HORA

Primeira-dama Michelle, entre fogo cruzado, prefere ficar fora da campanha onde o pau está comendo entre os o 01,02 e 03

A percepção da população de que o presidente Jair Bolsonaro (PL) é o principal responsável pela alta de preços no Brasil e a decisão da primeira-dama, Michelle, de não participar de novas gravações da campanha desanimaram a equipe do mandatário, que tenta a reeleição. A apuração é da colunista do UOL Thaís Oyama, em O Radar das Eleições. Pesquisa do instituto PoderData, divulgada ontem pelo site Poder360, mostra que 42% da população brasileira considera Bolsonaro o culpado pela inflação. Já 18% atribuem a responsabilidade aos governadores dos estados. As taxas não variaram desde o último levantamento.

*

De acordo com a apuração de Thaís Oyama, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, teria desistido de participar das novas gravações da pré-campanha à reeleição do marido para não se envolver no conflito entre os irmãos Carlos e Flávio Bolsonaro. Os dois disputam o comando da comunicação.

ORGULHO

O brasileiro João Carlos Rodovalho, de 38 anos, já superou muitos desafios nessa vida e acabou de acrescentar mais uma vitória de vitória a essa lista: ele chegou à base do Everest (foto). João caminhou quase 50 km de subida para atingir o objetivo.

Nem a perna esquerda amputada há 20 anos, o impediu de realizar o sonho. João teve um câncer no joelho. Depois, parte do pulmão foi retirada, devido a um outro tumor. No total, durante toda a vida, ele venceu cinco tumores e está em remissão desde dezembro de 2016.

VERGONHA

A oferta de feijão-carioca, o tipo preferido do consumidor brasileiro, está menor em 2022, e os preços, mais altos. Com isso, o setor produtor já vê uma migração do consumo para outras variações, principalmente para o feijão preto. A relação de preço entre os dois tipos mais consumidos já mudou. Tradicionalmente, o feijão-preto custa cerca de 85% do feijão-carioca. Agora, esta variando entre 60% e 70%. Com isso, o brasileiro vai ter que "desapegar" da preferência —o setor produtor calcula que o carioca ocupe 60% do consumo no país. Enquanto esse tipo está custando acima de R$ 10, o preto ainda pode ser achado no varejo por R$ 6 ou R$ 7 no pacote de 1kg.

Redação BMA

Redação BMA

As principais notícias do Amazonas, do Brasil e do mundo. Mais de 40 anos de jornalismo com credibilidade.