Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Deputado Péricles espalha fake news nas redes sociais, aponta Sinésio


O deputado estadual Sinésio Campos (PT) usou a tribuna da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) desta terça-feira, 18/02, para manifestar repúdio ao Projeto de Lei (PL) protocolado deputado estadual Delegado Péricles (PSL) que pede a revogação do título de cidadão amazonense do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As informações são do Portal Toda Hora.

Ao se referir ao pedido solicitado pelo colega da casa, Sinésio o acusou de praticar crime cibernético. Segundo o parlamentar, Péricles propagou "fake news quando" postou nas redes sociais uma arte com um “x” em uma foto do ex-presidente Lula com a legenda “título de Cidadão Amazonense cancelado” dando a entender que Lula teria perdido a honraria. O PL apresentado por Péricles, que também é presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) da Aleam, ainda não foi votado.

“É inconstitucional. O deputado usou as redes sociais fazendo fake news dizendo cancelado. Algo mais preocupante é que ele é presidente da CCJ que deveria zelar pela constitucionalidade, pela legalidade e pelos ritos processuais que a casa sempre utiliza”, disse o Sinésio ao lembrar que o ex-presidente teve o título de cidadão amazonense aprovado por unanimidade pela casa, no ano de 2005.

Péricles rebateu a acusação e justificou a apresentação do PL alegando que tal mérito deve ser entregue e mantido apenas a pessoas de caráter correto e de conduta ilibada.

"Muito mais que isso é pela condenação do ex-presidente Lula. O "x"que está lá é pela sua condenação que é muito pior do que a revogação de um título e eu até explico no texto só que ele não quis ler o texto, só foi pela mensagem e interpretou da maneira dele", se defendeu Péricles.

Arte foi postada na rede social do deputado Péricles

PL pede revogação de título

O PL apresentado por Péricles enumera a condenação em segunda instância no caso do triplex em Guarujá (SP), no último dia 24 de janeiro de 2018, quando o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) aumentou a pena para 12 anos e 1 mês de prisão – pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro - com início em regime fechado.

Cita, ainda, a condenação em segunda instância pelo TRF4 a 17 anos, um mês e 10 dias de prisão no caso do sítio de Atibaia, onde ele é acusado de receber propinas das construtoras OAS e Odebrecht por meio de reformas, em 2010, num sítio no município do interior paulista. Lula foi condenado ainda em primeira instância.

Redação BMA

Redação BMA

As principais notícias do Amazonas, do Brasil e do mundo. Mais de 40 anos de jornalismo com credibilidade.