Calendário

outubro 2019
D S T Q Q S S
« set    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Bumbás arrastam multidões com direito à intervenção policial para evitar encontro das torcidas

Parintins (AM) – Moradores da Ilha Tupinambarana, a 369 quilômetros de Manaus, festejaram São João Batista ao ritmo de toadas de Boi Bumbá. A novidade é que este ano as manifestações tiveram direito até às polêmicas rivalidades dos tempos de Roque Cid, um dos fundadores do Boi Caprichoso, e Lindolfo Monteverde, fundador do Boi Garantido. A disputa pelo espaço da Praça da Catedral de Nossa Senhora do Carmo, mesmo celebrado acordo prévio para que as duas nações não se encontrasse na madrugada, precisou da intervenção policial e fez os dirigentes encerrarem as manifestações antes do encontro das duas torcidas.

Mesmo assim, os dirigentes e torcedores das duas agremiações festejaram o resultado do “Boi de Rua”, do Caprichoso, e do “Boi da Promessa”, do Garantido. No começo da tarde desta terça-feira as redes sociais trouxeram ao debate a ação policial que mediou a polêmica por volta das duas horas da madrugada, quando no fervor da brincadeira os dirigentes foram alertados sobre o possível descumprimento de um acordo firmado em reunião com o comandante do 11º Batalhão da Polícia Militar, Tenente coronel Navarro.

O assunto rendeu notas de repúdio, da diretoria do Garantido, e de esclarecimentos, do comandante do 11º BPM. Dirigentes vermelhos alegram truculência por parte de um oficial que atuou no momento da crise da madrugada. Segundo a nota, o tenente PM Wilson Cursino Neto, teve “comportamento inadequado, desproporcional e perigoso quando da realização da tradicional Saída do Garantido, pelo Dia de São João. Chamado para tentar resolver o impasse, o presidente Fábio Cardoso foi desrespeitado e agredido, bem como diversos outros membros da agremiação.

Imediatamente após circular o repúdio da Baixa de São José, o tenente coronel PM Navarro distribui nota de esclarecimento afirmando que a crise já havia sido contornada. O militar cita que o “suposto excesso no uso da força policial por parte dos militares desta OPM, envolvendo o Presidente da Associação Folclórica Boi-Bumbá Garantido – Fábio Gadelha Cardoso, durante a Festa em Homenagem ao Dia de São João, ocorrida na noite do dia 24 de junho do corrente ano, não condizem com a realidade e não refletem as diretrizes deste comando”.

De acordo com ele, a polícia não mediu esforços para reunir os gestores da duas associações folclóricas, com o objetivo de resguardar a integridade física dos simpatizantes e brincantes dos bumbás. “Por fim, tudo foi resolvido, e o incidente não passou de um pequeno desentendimento entre as partes, desmentido o que fora propagado nas mídias locais. No entanto, o corrido será apurado para ver se houve ou não excesso por parte do policiamento”, diz a nota da PM.

 

Ruas e praças foram palco do “Boi de Rua” azulado

Nas informações distribuídas à imprensa, a assessoria do Caprichoso não deixou de lado o fato do Touro Negro ter desafiado o ‘contrário’. Segundo eles, o Caprichoso “demarcou território, quebrou tabu e azulou o lado de cima da Ilha de Parintins durante o tradicional Boi de Rua, em noite de São João Batista”. Na manifestação azulada, milhares de torcedores se concentraram na Praça do Sagrado Coração de Jesus, primeira catedral de Parintins, e brincaram de boi pelas primeiras ruas da cidade, como nos tempos das lamparinas.

Em tom de rivalidade, a assessoria afirma que houve “tentativa de boicote do boi contrário, que agiu de forma arbitrária e fugiu do encontro com o Caprichoso”. Chegando primeiro à Praça da Catedral, dirigentes e torcedores do Azul “transformou o local no palco da tradição do povo festeiro da ilha”. A festa caprichosa começou por volta das 21h, ao comando do apresentador, Edmundo Oran, levantador de toadas, David Assayag, e amo do boi, Prince do Caprichoso. Os itens oficiais e o Boi Caprichoso da Estrela na testa evoluíram ao som das toadas tradicionais, ao som da Marujada de Guerra.

Boi da Promessa

A avenida Lindolfo Monteverde, entre o antigo curral da baixa de São José e a Praça São benedito foi transformada em um grande mar vermelho. Depois de cumprir a promessa do criador, Mestre Lindolfo, com a celebração da Ladainha a São João Batista, comandada por Dona Maria Monteverde, filha do criador do Boi Garantido, torcedores do garantido se uniram aos itens, dirigentes e à Batucada na última saída às ruas antes da disputa deste final de semana na arena do bumbódromo.

“É muito lindo ver a tradição sendo mantida e seguida por tantas pessoas apaixonadas pelo feito de meu pai. É com muita honra e orgulho que hoje eu e minha família damos continuidade a essa promessa”, disse emocionada dona Maria.

Mais tarde, a emoção veio no rufar do tambor do neto de Lindolfo, Rec Monteverde, um dos mais antigos batuqueiros da Baixa. A partir daí a multidão foi levada pelo Boi Garantido pelas ruas do reduto vermelho.

Batucada, itens oficiais e perrechés apaixonados seguiram o Boi Garantido pelas ruas Rua Lindolfo Monteverde, Armando Prado, Senador Álvaro Maia e Avenida Amazonas.

Altares com imagens de São João Batista e fogueiras ardendo recepcionaram a multidão que abriu espaço ao Touro Brando para a sua evolução, ao comando do tripa, Denildo Piçanã.   A manifestação folclórica entrou pela madrugada, até chegar ao centro da Ilha.

Fotos: Hélcio Farias/Pedro Coelho 

Texto: Floriano Lins 

Deixe uma resposta