BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Bandeiras a meio mastro para simbolizar tristeza, dor e luto


As bandeiras do Brasil colocadas diante do Congresso Nacional e em todas as dependências do Senado Federal deverão ser hasteadas a meio mastro, até que o país consiga vencer a "guerra contra o novo coronavírus".

A proposta é do senador Plínio Valério (PSDB-AM), que  defendeu a  aprovação de requerimento de sua autoria (RQS 306/2020) encaminhado à mesa diretora do Senado.

— Eu acho que tem muita força esse simbolismo da bandeira, para mostrar que nós estamos sofrendo. Guerra tem perdas, guerra tem muito sangue, muitas vítimas. E nós estamos tendo mais vítimas que nós deveríamos ter se nós estivéssemos mais preparados para esse tipo de guerra, esse tipo de coisa - disse.

Tristeza, dor e luto

Para o tucano de Eirunepé, essa atitude ajudaria a simbolizar a tristeza, a dor e o luto das autoridades e dos políticos pelas mortes ocorridas em decorrência da pandemia.

Em ofício, ele também sugeriu a adoção da medida pela prefeitura da Manaus, pelo governo do Amazonas e pela Presidência da República.

— É uma forma de demonstrar que os pensamentos e esforços não estão direcionados somente à votação de projetos para garantir dinheiro para minimizar o sofrimento da população —, explicou Valério.

É pra ontem

O projeto de lei de autoria do Tribunal de Justiça do Amazonas (Tjam), que trata da redução de taxas cartoriais relativas a transferências, aquisições e regularizações de imóveis no Amazonas em 30% deverá tramitar em regime de urgência. A proposta chegou à ALE-AM no dia 8 de abril e, até então, não foi colocada em tramitação.

Quem paga

O apelo pela celeridade foi feito pelo deputado Serafim Corrêa (PSB) Mesa Diretora nesta quinta-feira, 7.

—  A demora na apreciação desse projeto está prejudicando a população —, queixou-se Sarafa.

O deputado ainda lembrou que as taxas cobradas no Amazonas são maiores do Brasil ainda com a redução dos 30%.

Pau no Sinésio

O Diretório Nacional do PT publicou nota condenando o comportamento do deputado estadual Sinésio Campos (PT) que votou com a maioria de 21 deputados da Assembleia Legislativa do para aprovar projeto que autorizar abertura de igrejas e templos no pico da pandemia é um equívoco.

“Uma resolução que, além de desrespeitar as decisões de nosso PT, ignora as recomendações da ciência adotadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS)”, fiz a nota do PT.

Sinésio votou a favor da reabertura de igrejas na pandemia 

PenTelho

De acordo com o comando petista,  as manifestações do deputado há tempos vêm incomodando os filiados e filiadas através dos votos na Assembleia Legislativa (ALEAM).

“Primeiro foi com a defesa a favor da mineração em terras indígenas, a favor do impeachment do atual governador e agora por último, a votação para reabertura de Igrejas e Templos no Amazonas em pleno período de pandemia do coronavírus”, acusa a nota.

Petista light

Batendo direto no fígado de Sinésio, o partido adverte que a decisão apoiada pelo parlamentar vai de encontro a Resolução Nacional do PT, que defende primeiro as pessoas e depois a economia.

“Esse voto, está em desacordo com o Partido dos Trabalhadores em nível nacional e no Estado do Amazonas, nós filiados e filiadas apoiamos a decisão do PT Nacional”, cutuca.

Socorro ao comércio

Através da  Agência de Fomento do Estado do Amazonas S.A. (Afeam), o Governo do estado já liberou mais de R$ 12 milhões em Crédito Emergencial para empreendedores da capital e do interior.

O Programa foi  lançado em abril e tem por objetivo atender às categorias do comércio e serviços com a oferta de financiamento para capital de giro com taxas de juros abaixo do mercado convencional.

Os recursos são destinados a pessoas físicas, jurídicas, profissionais autônomos e liberais.

Braga tem prioridade

Os senadores apresentaram uma lista de projetos com pedido de prioridade para votação em Plenário nos próximos dias.

E um dos  projetos que deve ganhar prioridade é o PL 1.542/2020, do senador Eduardo Braga (MDB-AM).

A proposta de Eduardo inclui os medicamentos na suspensão – pelo prazo de 120 dias –, do ajuste anual de preços aplicados aos planos e seguros privados de assistência à saúde, em decorrência da pandemia. A proposta é

Preços congelados

O senador do Amazonas defendeu que é imprescindível estender a suspensão dos reajustes nos preços dos remédios aos planos e seguros privados de assistência à saúde, evitando aumento em um momento que os efeitos econômicos causados pela crise do coronavírus.

— Isso têm causado uma perda significativa da renda das famílias, provocada pela necessidade de isolamento social, que faz com que os cidadãos percam seus empregos ou tenham seus salários reduzidos — afirmou Braga.

Incêndios na floresta

O presidente da República, Jair Bolsonaro, decretou na quarta-feira uma ação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) para o combate a desmatamento ilegal e focos de incêndio na Amazônia Legal.

Militares de novo

A GLO vai estar em vigor entre 11 de maio e 10 de junho deste ano. É o segundo ano consecutivo que Bolsonaro recorre aos militares para ações contra incêndio e desmatamento na Amazônia.

E garimpo pode?

O decreto não faz menção ao combate aos garimpos ilegais na Amazônia. Até porque Bolsonaro já deu declarações favoráveis aos garimpos na região.

O predador

Na quarta-feira, O GLOBO revelou que, em 2019 (primeiro ano do governo Bolsonaro), o desmatamento causado por garimpos na Amazônia destruiu uma área de 10,5 mil hectares, batendo um recorde histórico.

Brasileiro mais pobre

Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada nesta quinta-feira 07, mostra que a perda do poder de compra já atingiu quatro em cada dez brasileiros desde o início da pandemia. Do total de entrevistados, 23% perderam totalmente a renda e 17% tiveram redução no ganho mensal, atingindo o percentual de 40%.

Medo de perder emprego

Quase metade dos trabalhadores (48%) tem medo grande de perder o emprego. Somado ao percentual daqueles que têm medo médio (19%) ou pequeno (10%), o índice chega a 77% de pessoas que estão no mercado de trabalho e têm medo de perder o emprego.

ÚLTIMA HORA

Em entrevista à CNN Brasil, a secretaria Especial de Cultura, Regina Duarte, deu declarações minimizando a censura e a tortura durante a ditadura, relativizou o impacto do coronavírus e minimizou seu papel ao mencionar mortes de artistas durante a pandemia.

Secretária de Cultura deu chilique em entrevista à CNN

Questionada sobre a falta de manifestação do governo sobre as mortes de Aldir Blanc, Rubem Fonseca, Garcia-Roza, Moraes Moreira e Flávio Migliaccio, a secretária respondeu:

— Eu imaginei assim: será que eu vou ter que virar um obituário?

Além disso, encerrou a entrevista em meio a um bate-boca: ela ficou irritada quando jornalistas da emissora pediram que ouvisse e comentasse um vídeo enviado à produção pela também atriz Maitê Proença.

— Vocês estão desenterrando esse vídeo para quê? O que vocês ganham com isso?".

ORGULHO

O Brasil ainda não conseguiu importar capacete que funciona como respirador – como os usados na Europa no combate à pandemia do coronavírus –, brasileiros da Universidade Federal da Paraíba (UFP), desenvolveram um bem parecido.

O Hospital das Clínicas de São Paulo deve receber, ainda nesta semana, os primeiros protótipos, que são menos invasivos, para pacientes da Covid-19. Os aparelhos serão produzidos também por empresas nacionais.

VERGONHA

Renan da Silva Sena, que agrediu verbalmente e cuspiu em enfermeiras que faziam uma manifestação na Praça dos Três Poderes, em Brasília, na última sexta-feira (1º),  é funcionário terceirizado do MDH (Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos),  mas não aparece nem exerce suas atividades no ministério desde meados de março. No tumulto, Renan acusa os enfermeiro de consumirem “o  fruto do nosso suor que construímos essa Nação”. Mas que suor, se ele nem trabalha?

Mário Adolfo

Mário Adolfo

Jornalista formado pela UA, com mais de 40 anos de experiência. Dois prêmios Esso e criador do personagem Curumim, o Último herói da Amazônia.