BLOG DO MÁRIO ADOLFO
Você gostaria de receber notificações em tempo real e não perder nenhuma notícia importante?
Cancelar
Aceitar

Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

'Assassino recebeu R$ 65 mil para matar sargento Lucas Ramon', afirma delegado da PC-AM


Finalmente ele foi pego. O suspeito de assassinar o sargento Lucas Ramon Silva Guimarães foi preso pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), da Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), na noite desta segunda-feira (22). O homem foi identificado como Silas Ferreira da Silva e a prisão aconteceu no bairro Colônia Antônio Aleixo, na zona Leste de Manaus. Ele estava na casa da mãe, onde, segundo a Polícia Civil, Silas usava como posto de passagem para fazer alimentação e, eventualmente, descansar. A informação é do Toda Hora.

A prisão foi realizada pela equipe da DEHS após intensa investigação para encontrar o suspeito. Com o suspeito, foi apreendida uma motocicleta, que, de acordo com a polícia, será periciada.

Coletiva de imprensa 

Valor

O delegado titular da DEHS, Ricardo Cunha, disse, em coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira, que Silas Ferreira já afirmou em depoimento que, além de confessar a execução, recebeu R$ 65 mil para cometer o crime.

“Ele recebeu o contato de um intermediário no dia do assassinato. Logo depois o encontrou e recebeu a quantia em dinheiro e foi ao local para cometer o crime. Depois de executar o sargento, ele devolveu todo material usado para este intermediário. Também falou que não sabia que se tratavam de pessoas influentes”, explicou o delegado.

Questionado sobre o envolvimento dos empresários Joabson Agostinho Gomes e Jordana Azevedo Freire no crime, o delegado Ricardo Cunha informou que não pode revelar mais detalhes.

Ficha criminal

De acordo com a polícia, Silas já foi preso quatro vezes, sendo duas por roubo, uma por tráfico de drogas e outra por ameaça e “vias de fato”. A ficha policial é extensa e por duas vezes registra que ele apontou arma de fogo e fugiu em motocicleta.

Entretanto, apesar da frieza com que executou o crime, Silas ainda não havia sido preso ou tido registro, na extensa ficha, por assassinato. “Ele disse pertencer a uma facção criminosa, que também estava ajudando a escondê-lo durante esses três meses de investigação.

Câmeras de segurança registraram a ação do atirador. A família do sargento chegou a oferecer uma recompensa de R$ 40 mil para quem fornecesse informações sobre o suspeito do assassinato. A polícia espera que Silas Ferreira da Silva forneça as informações sobre a encomenda do crime.

Redação

Redação

As principais notícias do Amazonas, do Brasil e do mundo. Mais de 40 anos de jornalismo com credibilidade.

Manaus