Bookmarks

You haven't yet saved any bookmarks. To bookmark a post, just click .

Arthur é contra decreto de Bolsonaro que reabre salões e academias


O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, posicionou-se contrário ao decreto do governo federal que incluiu atividades de salões de beleza, barbearias e academias de esportes na lista de “serviços essenciais” e voltou a pedir cautela na hora de avaliar reabertura de comércios ou mesmo de um possível lockdown, ou seja, uma medida mais radical de isolamento nesse período de pandemia pelo novo coronavírus, que vem registrando a cada dia mais casos de Covid-19 na capital e no Estado.

“Sinceramente, salões, barbearias e academias não são atividades essenciais. Não considero oportuno abrirmos agora, nem igrejas. Se fizermos isso, ajudaria a furar o isolamento social, que deve ser aumentado para além dos 40% atuais”, disse o prefeito Arthur Virgílio, em reunião com o governo estadual e representantes de diversos segmentos de classe e sociais, nesta terça-feira, 12/5.

Na ocasião, o governo anunciou a prorrogação, até dia 31 de maio, da suspensão do funcionamento de todos os estabelecimentos comerciais e de serviços não essenciais e destinados à recreação e lazer, algo em concordância com os decretos municipais. “Entendo que essa é uma boa data para decidirmos se está na hora de abrir ou não. Entendo que é ruim dar um passo e recuar dois depois”, alertou Arthur Virgílio.

O prefeito de Manaus reforçou também que há muito o que pensar e fazer antes de tomar medidas mais duras e disse que é hora de união. “Fico pensando nessa questão do lockdown em Manaus. Imagine uma provocação que possa resultar em luta e mortes. Insisto que algumas decisões sejam tomadas diretamente pelo povo e, se pensarmos bem, tudo que estamos proibindo não deixa de ser uma espécie de lockdown, uma interdição parcial”, advertiu.

Ao mesmo tempo em que clamou por cautela, Arthur pediu apoio da Polícia Militar na atuação de fiscais que estão verificando a abertura de comércios não essenciais e o uso de máscaras em estabelecimentos, item que passou a ser obrigatório em Manaus no início desta semana. “Vamos precisar da ajuda para fazermos, se necessário, cassações de alvarás, por exemplo”, declarou, ressaltando que a medida seria mais para a segurança do fiscal, sem qualquer tipo de repressão às pessoas.

Redação BMA

Redação BMA

As principais notícias do Amazonas, do Brasil e do mundo. Mais de 40 anos de jornalismo com credibilidade.